terça-feira, 9 de maio de 2017

Três ministros do STF

Ivar Hartmann


Há muito tempo que a imprensa tem comentado de três ministros do STF: Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski. Sobre os três há dúvidas sérias e grandes quanto a postura ética. Ou seja, até onde o passado deles não atrapalha seus julgamentos. Até aonde interpretam a lei de maneira folgazã, de formas a proteger os delinquentes da Lava Jato, os ratos grandes (Lula, Dilma, Temer) e os ratos menores (José Dirceu, Renan, Palocci). Fala-se com muito cuidado e atenção, pois são juízes que deveriam ser ilibados, com o caráter acima de qualquer suspeita e os julgamentos dignos de magistrados incorruptíveis, com sentenças prolatadas na forma do bom direito e das leis. As semanas passam e as ações dos três sempre buscam proteger os ratos grandes e os menores. De tal sorte, imagino eu, que, a estas alturas das delações, com as ameaças de Palocci, eles se sintam temerosos pelos amigos. Gilmar Mendes é réu confesso: juiz é conselheiro de Temer, ou seja, juiz é conselheiro do bandido que está processando. Como o país onde moramos chama-se Brasil, tudo é possível.
Mas agora, aos homens da imprensa independente brasileira, deverão somar-se ministros do STF. Não sem oportunidade. Porque por um julgamos todos. E seguramente os demais Ministros não devem estar gostando de serem comparados ao trio que não embeleza nem lustra o Supremo Tribunal Federal. Depois de soltarem José Dirceu, fazendo um aceno para que Palocci cale a boca, devem ser reprimidos pelos demais ministros. Da seguinte maneira: o Ministro Edson Fachin, homem ligado a esquerda, indicado por Dilma, à luz da forma como estão votando os que deslustram o STF, resolveu levar o julgamento de Palocci para o Plenário do STF. Então, da 2ª. Turma do STF, onde imperam o Toffoli, o Gilmar e o Lewandowski, garantindo três votos contra dois votos de Celso de Mello e Edson Fachin, o processo vai para o Plenário do STF. Palocci fica na cadeia disposto a delatar mais ratos ou vai ser solto? A maioria dos Ministros do STF não pode estar satisfeita com o trio de juízes ligados ao pior do PT e PMDB. Um advogado carioca que foi subordinado a um chefe do Comando Vermelho do Rio, vira juiz e com cara de pau, julga seu ex-patrão. Dias Toffoli fez isso: ex-subordinado de José Dirceu, votou agora pela liberdade de seu ex-patrão. Vergonhoso para todos os juízes brasileiros. Espera-se muito do STF.
ivar4hartmann@gmail.com
Postar um comentário