terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Mistério no Hospital



Durante alguns meses, acreditou-se que o quarto 69 de um hospital público tinha uma maldição. 
Todas às quartas-feiras, de manhã, os enfermeiros descobriam um paciente morto neste quarto da unidade de cuidados intensivos.
Claro que os pacientes tinham sido alvo de tratamentos de risco mas, no entanto, já não se encontravam em perigo de morte.
A equipe médica, perplexa, pensou que existisse alguma contaminação bacteriológica no ar do quarto. 
Alertadas pelos familiares das vítimas, as autoridades conduziram um inquérito. 
Os pacientes do 69 continuaram, no entanto, a morrer em um ritmo semanal e sempre às quartas-feiras. 
Por fim, foi colocada uma câmera no quarto e o mistério resolveu-se: todas às quartas-feiras, de manhã, por volta das 6 horas, a mulher da limpeza desligava os aparelhos do doente para ligar o aspirador de pó.

PAPO CABEÇA

A prova do real
Braulio Tavares


Distinguir entre o que é e o que não é real é, para os filósofos, um problema insolúvel e um passatempo inesgotável. É também um dos motivos que levam o cidadão comum, que lê jornal e anda de ônibus, a torcer o nariz para a atividade filosófica, que ele considera uma mistura de enxugar gelo e chover no molhado. O cidadão acha que não há motivo para ficar discutindo se o mundo existe, uma vez que se o mundo não existisse os próprios discutidores do assunto não estariam ali para discuti-lo. No passado, o Bispo Berkeley foi um dos grandes defensores do idealismo, da teoria de que o mundo existe apenas como uma idéia, uma espécie de alucinação consensual, dentro de nossas cabeças. Tudo é ilusão, dizia Berkeley. Seus detratores replicavam: “E no entanto o Bispo tem o saudável costume de entrar em sua residência pela porta, e não através da parede”.
Martin Gardner relata um debate divertido entre os filósofos Bertrand Russell e Rudolf Carnap, na Universidade de Chicago, sobre o “phaneron”, o mundo das percepções e dos fenômenos. O “phaneron” é tudo que vemos, tocamos, e sentimos; um conjunto de percepções. Nunca conseguiremos provar (ou desmentir) de maneira irrefutável se o que julgamos perceber existe de fato. Só sabemos do universo o que nossos sentidos nos revelam, mas eles podem estar enganados. (Só sabemos disso quando somos vítimas de uma alucinação, um delírio, etc.; desse dia em diante aprendemos a desconfiar do que vemos.) 
No meio do debate, Bertrand Russell fez a Carnap a pergunta: “Nossas esposas estão presentes aqui no auditório. Será que elas existem, de fato, ou devem ser consideradas meras ficções lógicas baseadas em regularidades existentes no phaneron de nós dois, seus maridos?” Comentando essa pergunta depois com Gardner, Carnap queixou-se: “Mas não é disso que se trata”. De fato, os filósofos não afirmam que o mundo não existe. Eles acreditam na existência do mundo, de suas esposas (!) e tudo o mais. Eles apenas gostariam de ter uma prova filosófica, ou seja, uma prova argumental, de que isto em que acreditam é uma verdade; e tal prova não existe.
Essa questão, antiga como o mundo, é talvez a questão mais importante do mundo. (Talvez não seja apenas a mais urgente – aí estão as guerras, as desigualdades sociais, etc., com muito mais urgência.) É a mais importante por ser a questão mais total, mais abrangente: ou tudo existe, ou tudo é ilusão. Todos nós já tivemos sonhos intensamente vívidos, que nos deram, enquanto duravam, uma intensa impressão de realidade. Como qualquer um de nós pode ter certeza de que não está sonhando, no momento em que escreve (ou que lê) estas linhas?

O fim dos dias

Um dia, Deus, muito insatisfeito com a humanidade e os seus pecados, decidiu por fim a tudo. 
Reuniu os líderes mundiais para comunicar-lhes pessoalmente a sua decisão de acabar com a humanidade em 24 horas.
Deus disse:
- Reuni-vos aqui para comunicar que extinguirei a humanidade em 24 horas.
- Mas, Senhor...  
- Nada de mas! Este é o limite, a humanidade vai abandonar a Terra para todo o sempre! Portanto, voltem aos respectivos países e digam ao povo que esteja preparado. Vocês têm 24 horas!
O primeiro a reunir o povo foi Obama.   
Em Washington, através de uma mensagem à nação, ele disse:
- Americanos, eu tenho uma boa notícia e uma má notícia para dar. A boa notícia é que Deus existe e que ele falou comigo. Mas, claro, já sabíamos disso. A má notícia é que esta grande Nação, o nosso grande Sonho, só tem 24 horas de existência. Este é o desejo de Deus. 
Fidel  Castro falou aos cubanos pela Rádio Cuba Libre:   
- Camaradas, tenho duas más notícias. A primeira é que Deus existe... sim, eu vi, estava mesmo à minha frente!!! Estive enganado este tempo todo... A segunda má notícia é que em 24 horas esta magnífica Revolução pela qual tanto temos lutado, vai deixar de existir.
Finalmente, no Brasil, Dilma Roussef dá uma coletiva de imprensa:  
- Brasileiros, hoje é um dia muito especial para todos nós. Tenho duas boas notícias. A primeira é que eu sou uma enviada de Deus, uma mensageira, porque conversei com ele pessoalmente. A segunda boa notícia é que, conforme constava do Programa do Governo, em apenas em 24 horas serão erradicados para sempre o desemprego, o analfabetismo, o tráfico de drogas, a corrupção, o PMDB, o PT, o PSDB, o DEM, a corrupção, a pedofilia, os problemas de transporte, água e luz, habitação, de burocracia, e, o mais espetacular de tudo: todos os impostos vão acabar, assim como a miséria e a pobreza neste País! É o Governo cumprindo tudo o que prometeu!!!

A importância do elogio

O marido, nu, olha-se no espelho e diz para a esposa:
- Estou tão feio, gordo, careca, peludo, herniado, anêmico, goguento, com mau hálito, suvaqueira, sem estímulo, broxa, acabado... Preciso de um elogio.
E a esposa, docemente, diz:
- Sua capacidade de observação está ótima, querido!!!

ARTIGO

Quem canta...
Ivar Hartmann

...seus males espanta! É um ditado usado, conhecido e acertado. Assim como os gaúchos quando perambulam pelo país, levam junto seus CTGs, abertos a todos os brasileiros, assim os germânicos, em suas andanças pelo mundo carregam consigo seu gosto pelo canto coral, aberto a todas as nacionalidades. 
Os católicos mais convictos podem não gostar de Lutero. Mas tem de admirar a inteligência do Padre Martinho Lutero que no séc.XVI criou o luteranismo a partir da Alemanha, afastando-se da hierarquia romana. Vendo o quanto os alemães são súditos da música e sensíveis aos seus acordes – e estão aí os grandes mestres da música universal – criou nas suas igrejas rituais religiosos que contemplam o canto de louvor e agradecimento a Deus. 
E, até hoje, os luteranos cantam mais em seus cultos que os católicos em suas missas. Lutero entendeu de logo que através da música é mais fácil chegar aos corações e mentes. Então, também, através da música, podemos curar corações e mentes. 
 Vejam como o canto coral, tão simples, tão usual, é importante para nossas vidas. A Bíblia diz que uma geração dura 40 anos. Então: um coral gaúcho tem mais de 120 anos. É, sem dúvidas, uma das mais antigas associações brasileiras, seja da indústria, do comércio ou do esporte. Porque dura tanto tempo sem ter fins lucrativos, dependendo da boa vontade de regentes que ganham pouco ou nada e de coralistas dispostos a sair da frente da televisão? 
Uma funcionária de uma empresa gaúcha estava na lista de demissões, em função de seu comportamento errático, baixa produtividade e alta capacidade de atritar-se com colegas e chefias. Entrou para um coral, para não ter de procurar um psicólogo. Aprumou o caráter, mudou o gênio, matou seus fantasmas e, não só garantiu o emprego, como foi promovida.
Outra empresa brasileira queria exportar para a Alemanha, concorrendo com gigantes do mundo em seu setor. No folder que mandou para os importadores constava que ela mantinha um coral. A resposta veio imediata: empresa que mantém um coral para os funcionários deve ser séria, competente e capaz de fazer parcerias a longo prazo. 
Por que falar em corais? Porque estão em férias, mas recomeçam em março e é uma oportunidade ímpar de, sem gastar, podermos frequentar um ambiente sadio, alegre e descontraído. Antes que esqueça: local também de achar namorado(a) e melhorar de emprego. Nada mal hem?


Promotor de Justiça aposentado. Foi professor de direito nas Universidades de Cruz Alta e Novo Hamburgo e professor de história no ensino médio do RS. Envolvido com causas comunitárias, escreve semanalmente para vários jornais do país. Reside em Novo Hamburgo. Email: ivarhartmann@terra.com.br

Involução

Frase

A diferença entre a galinha e o político é que este não bota ovo. 
Caco Dentão

Sensual

Lena Lopez
Foi com ternura
Ontem à noite
Deitada na cama
Assim eu pensei:
- Quero e como eu quero!
Muito ser tua
Envolvendo-me em ti
Bolina-me o corpo
Entorpecendo-me de desejo
Mata-me a minha sede
Gozando sobre mim
Olhando o meu corpo
Saciando a tua fome
Tateando a minha pele
Ofegando e arfando
Saindo e entrando
Obrigando-me ao gozo!
Ah, como eu quero
Garanto que quero
Outra vez, mais uma vez
Reter em meu corpo
A tua seiva generosa.

Ari Viola quer marcar a convenção do PBF em Jardim do Seridó

O empresário Ari Viola (PBF), nome definido pelo grupo de oposição para disputar a prefeitura de Jardim do Seridó já anda em pré-campanha. 
Em Natal, tem dois compromissos neste inicio de semana. 
Um deles é conhecer os advogados, que estarão lhe auxiliando nos meses em que estiver fazendo campanha política no município seridoense. 
Ele sabe que até nesta fase antes da convenção, quando não existe candidaturas registradas, é primordial ter uma boa assessoria jurídica, para evitar problemas judiciais.
O outro compromisso é uma reunião com o presidente do seu partido, o empresário Bibica Di Barreira. 
Com ele o assunto é mais fácil de ser resolvido: Ari quer marcar a data da convenção em Jardim do Seridó, e reafirmar o desejo de ter a presidente Dilma no dia do evento.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

BF CIÊNCIA - FERTILIDADE

Ultrassom nos ovos pode ser 
novo contraceptivo masculino


A aplicação de ultrassom nos testículos pode suspender a produção de esperma, segundo pesquisadores da Universidade de Timbaúba dos Batistas (UTB) que estudam uma nova forma de contracepção masculina.
Um estudo com ratos mostrou que as ondas de ultrassom podem ser usadas para reduzir a contagem de esperma a níveis considerados inférteis em humanos.
Os cientistas da UTB descrevem o ultrassom como um "candidato promissor" como contraceptivo, mas novos testes ainda serão necessários para garantir que o método é seguro e que o efeito é reversível.
O conceito de usar as ondas sonoras para reduzir a fertilidade masculina surgiu nos anos 70.
Agora está sendo explorado a fundo por pesquisadores da UTB, que receberam financiamento da Fundação RYFFS Corporation.

De olho no mundo - 26

30 de janeiro de 2012

cardápio da imprensa
Pelo segundo ano consecutivo, pesquisa da ONU apontou o Brasil como o país que menos restitui à sociedade os impostos pagos pelos contribuintes. Para reagir a esse vergonhoso bicampeonato, o Ministério da Fazenda sequer conseguiu ser original: limitou-se a desqualificar a pesquisa da ONU.

Pouco importa a baboseira oficial de governador e prefeito a respeito dos três prédios que vieram abaixo no coração do Rio. É mais um capítulo da novela de bueiros que voam pelos ares e restaurantes que explodem. É apenas o retrato do abandono da administração pública, da ausência completa do Estado, do desrespeito contumaz às normas mais banais – que permitem a uma empresa iniciar obras sem qualquer registro –, da conivente falta de fiscalização e de outros bichos escrotos do gênero.
A morte de Duvanier Ferreira, secretário de recursos humanos do Ministério do Planejamento que comandava a luta contra os supersalários do Executivo, deveria provocar grandes reflexões. Acompanhado pela esposa, peregrinou por três hospitais de Brasília, primeiro o Santa Lúcia e depois o Santa Luzia, que lhe negaram socorro porque não mantêm convênio com o plano de saúde GEAP, e exigiram o cheque caução proibido por lei. Apura-se, também, a suspeita de racismo que o casal sofreu no Santa Luzia, segundo declarações do próprio ministro da Saúde Alexandre Padilha. Quando finalmente chegou ao hospital Planalto, nada mais podia ser feito para salvá-lo.
O Ministério Público Federal denunciou à Justiça Federal 56 envolvidos num dos maiores escândalos da Era Lula: o superfaturamento das obras de ampliação de dez aeroportos, que alcança estratosféricos R$ 1 bilhão. No balaio de indiciados todos os então diretores da Infraero, além de controladores e executivos das maiores empreiteiras do país. O destino agiu em favor de Carlos Wilson – ex-deputado petista que presidiu a empresa no período –, morto recentemente e enterrado como herói pelos correligionários. Com direito a discurso emocionado e lágrimas de Lula da Silva ao pé do caixão.
Apesar da enorme confusão que misturou Ministério da Saúde, ANS, Anvisa e os planos de saúde, em mais uma patuscada do governo, nenhuma das cerca de 20 mil mulheres supostamente prejudicadas pelas próteses de silicone sob suspeita procurou a Justiça em busca de qualquer reparação.
Enfim, uma promessa cumprida: Dilma Rousseff demitiu Sérgio Gabrielli da presidência da Petrobras. Colocou em seu lugar Graça Foster, de sua inteira confiança, cuja principal missão é desmontar o feudo que o PT, Zé Dirceu e a base alugada montaram na estatal. Resta saber se a nova presidente da empresa também vai desmontar o feudo de Colin Foster, seu marido, que mantém 43 contratos em andamento com a petrolífera, 20 deles sem licitação. Na verdade, a senhora Foster nem deveria ter sido nomeada diretora da Petrobras, em 2007, pois seu cônjuge já tinha montada sua plataforma de negócios naquela época.
Em que pese Fernando Haddad continuar uma completa incógnita na disputa pela Prefeitura de São Paulo, muitos analistas começam a considerar que a presença de Dilma Rousseff em seu palanque terá muito mais valia do que a companhia de Lula da Silva. Dilma resgatou a liturgia do cargo, evitando declarações espalhafatosas, comparações infantilizadas com futebol e piadas sem graça, que a fez crescer aos olhos do público – daí os seus índices de aprovação popular. Tal postura estaria diminuindo a suposta saudade do estilo do antecessor. Que, dizem, anda muito irritado com a falta do que fazer na vida.
A atual postura de Haddad não deverá ajudar muito. Não pretende procurar Marta Suplicy, é contra que nomeiem a senadora para algum ministério em troca do seu apoio e anda rejeitando Alexandre Schneider (PSD) como companheiro de chapa.
Sem muito o que fazer na vida, Carlos Lupi, defenestrado do Ministério do Trabalho acusado de corrupção, fez visita secreta ao apartamento de Lula da Silva. Discutiram alianças entre PT e PDT para as eleições de outubro.
Depois que Fernando Henrique Cardoso declarou sua preferência por Aécio Neves como candidato tucano à presidência em 2014, José Serra passou a cogitar novamente uma mudança de partido.
Quem anda numa tremenda maré a favor é o ex-muita coisa Nelson Jobim. De volta à sua banca de advocacia, anda cobrando até R$ 400 mil por um parecer jurídico. As palestras de Lula da Silva viraram cafezinho no escritório de Jobim.
Mesmo considerando todos os problemas relacionados à Copa de 2014, incluído o clima péssimo entre governo federal, Congresso, CBF e Fifa, causou impacto a interlocutores o desânimo do secretário-geral da Fifa Jérôme Valcke ao final da sua última passagem pelo Brasil.
Segundo Joseph Blatter, presidente da Fifa, a rede inglesa BBC anda pressionando-o muito para que divulgue informações a respeito do processo contra a ISL, que incriminariam João Havelange e Ricardo Teixeira.
Há uma campanha em curso, apoiada por celebridades brasileiras de diversas áreas, para que a bola da Copa de 2014 seja batizada de Gorduchinha. Uma justa homenagem ao ex-locutor esportivo Osmar Santos, que cunhou o célebre bordão Pimba na Gorduchinha.
Diante da vergonhosa participação do Brasil na última Olimpíada, o governo pretende importar preparadores para os atletas brasileiros que vão participar das Olimpíadas 2016. A ideia é trazer técnicos e nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas...
A patota que defende a censura aos meios de comunicação anda desolada, ao perceber que a própria sociedade tem maturidade suficiente para determinar os limites. Depois do episódio do suposto estupro, a audiência do BBB despencou cerca de 50%, gerando rumores de que o programa poderia sair do ar.
O filme Lula, o filho do Brasil segue sua sina de fracasso. Depois do fiasco aqui em Pindorama, e na Argentina, chegou a vez dos Estados Unidos. Em uma semana de exibição em Nova York arrecadou o equivalente a míseros R$ 6,3 mil.
Rita Lee anunciou a aposentadoria dos shows. Pretende continuar compondo, gravando e, em ocasiões especiais, participar de programas de televisão. Mas, na verdade, o grande projeto da cantora é ser abduzida pelo pessoal dos discos voadores e, a respeito disso, tem conversado muito com a colega Elba Ramalho – que garante ter passado pela experiência.
João Gilberto proibiu a inclusão de qualquer imagem sua cantando – sozinho ou em companhia do maestro soberano – para o documentário A música segundo Tom Jobim. Alegou que pretende usar o material num filme sobre sua própria história. Esquece que a família Jobim poderá negar, na mesma moeda, imagens de Tom. E perdemos todos nós, mestres de obras na construção de um país sem memória cultural.
A paraibana Luiza Rabello, que já voltou ao Brasil e está prestes a completar 18 anos, poderá mostrar seu Canadá na seção Happy Hour, da revista Playboy. Por enquanto, já está cobrando cachê de R$ 15 mil para fazer papel de poste por duas horas em eventos. Também deverá participar de um comercial da GM, ao lado da televisiva Fernanda Lima.
O festival de ignorância segue sua viagem. Num programa de tevê, o apresentador Gilberto Barros dispara uma pergunta para Carol Magalhães – aquela neta de ACM que virou “modelo’’: “Que órgãos humanos estão alojados em cavidades ósseas chamadas ‘órbitas’?”. Com a carinha angelical de quem frequentou os melhores colégios baianos a passeio, Carol fuzilou: “Astronauta!”. A NASA estuda processar a moça por calúnia.

Alguém devia processar esse fornecedor que entregou maconha estragada a Rita Lee e Elba Ramalho.


Zé Prativai, completamente doidão, certo de que Rita e Elba deviam convidar Baby Consuelo para formar um trio, pois a ex-mulher de Pepeu disse que viu Jesus bem de pertinho.


alarido
O problema com o mundo é que as pessoas inteligentes estão cheias de dúvidas, enquanto as estúpidas estão cheias de certezas.”
(Charles Bokowski)

“Esta obra entrará para os anais e menstruais de Sucupira e do país.”
(Odorico Paraguaçu, lendário personagem criado por Dias Gomes e vivido de forma inesquecível pelo ator Paulo Gracindo, mais atual do que nunca)

“Capitão Schettino é o novo porta-voz da Infraero.”
(Manchete do blogue The i-piauí Herald)

“Cabral, vada a bordo, cazzo!
(Ricardo Noblat, jornalista, cobrando a presença do governador papangu Sérgio Cabral, que sumiu durante o desabamento dos três prédios no coração do Rio)

“Governador Sérgio Cabral está entre os desaparecidos no desabamento do Rio.”
(Manchete do jornal Sensacionalista, a respeito do sumiço do governador)

“Zelda Merda... Zelda Melo: O que dizem os médicos?”
(William Waack, na bancada do Jornal da Globo, chamando a repórter Zelda Melo em uma matéria de rua)

“Desde criancinha, não passo de uma sargentona.”
(Graça Foster, nova presidente da Petrobras, definindo seu perfil profissional)

“Alves, no afã de defender um interesse pessoal, colocou o partido inteiro em rota de colisão com o governo.”
(Ricardo Noblat, jornalista, comentando a crise gerada pelo deputado Henrique Alves ao tentar preservar um afilhado no comando do Dnocs)

“...longe de fundar uma nova classe média, pretende a atual elite política e financeira brasileira, isso sim, continuar anestesiando a plebe ignara e enganando os incautos – endividados – até as próximas eleições.”
(Rinaldo Barros, professor e pesquisador)

“O pior corrupto é o corrupto ‘de esquerda’. Faz suas trapaças e acusa quem quiser investigá-las de ‘conspiração de direita’. [...] Tão cara de pau que está entregando o pré-sal a trustes estrangeiros através dos leilões de jazidas, perdoou dívidas de empresas privatizadas, como as da norte-americana AES (da Eletropaulo), está trabalhando a privatização dos aeroportos, numa jogada da pesada, e fala mal da privataria passada, sem nada ter feito para desfazê-la, sabe Deus por quê.”
(Pedro Porfírio, jornalista, em artigo publicado na Tribuna da Imprensa)

“O ministro Mário Negromonte exonerou seu chefe de gabinete Cássio Peixoto ao perceber que ‘ele estava desmotivado’. Veja só. Se desmotivado, Cássio foi acusado de fraudar o parecer de uma obra da Copa de 14, imagine motivado!”
(Ancelmo Gois, jornalista)

“Está em boa hora para limpar a Fifa de cima para baixo.”
(Pelé, em entrevista ao jornal francês Le Monde, falando da corrupção na instituição)

“Se a Luiza já voltou do Canadá, quando a Yoani sai de Cuba?”
(Cláudio Humberto, jornalista, a respeito da blogueira Yoani Sánchez, que obteve visto de entrada no Brasil, mas ainda espera autorização de saída da ditadura cubana para deixar da ilha e participar de evento na Bahia)

“Avise a todos que não fui ao Canadá: permaneço em Franca.”
(Luiza Trajano, dona do Magazine Luiza, reagindo com bom humor à brincadeira que sua rede de lojas teria mudado de nome para apenas Magazine, enquanto a Luiza paraibana estava no Canadá)

“Agora chega. Luíza já encheu o saco.”
(Ancelmo Gois, jornalista)

moleskine
Para quem deseja conhecer mais de perto os porões da grande crise econômica que, em 2008, explodiu o mercado imobiliário norte-americano, um bom caminho é o documentário Trabalho interno, escrito, produzido e dirigido por Charles Ferguson. Narrado pelo ator Matt Damon, seu roteiro é de uma contundência cirúrgica. Revela uma verdadeira conspiração entre governo, bancos de investimento, grandes bancos de varejo, agências de análise de risco e acadêmicos das mais prestigiosas universidades. Um ponto alto do filme é o paralelo entre o terapeuta dos figurões de Wall Street e a cafetina que os abastecia com prostitutas de luxo.

Wando está internado e respira com ajuda de aparelhos

O cantor Wando, 66 anos, está internado após dar entrada no hospital com problemas cardíacos graves. 
Segundo boletim médico divulgado hoje, ele foi submetido a uma cirurgia cardíaca, está sob efeito de sedativos e respira com ajuda de aparelhos.
Ele está no CTI do hospital Biocor, em Minas Gerais.
Wando foi internado na última sexta-feira e submetido a uma angioplastia coronariana em caráter de urgência para desobstrução das artérias do coração.
Nascido no interior de Minas Gerais, Vanderley Alves dos Reis lançou seu primeiro álbum em 1973.
Tornou-se conhecido por colecionar calcinhas de fãs e pelos sucessos "Fogo e Paixão" e "Moça".

A formiga e a cigarra


Atenção! Esta fábula não 
tem nada de edificante...
Era uma vez, uma formiguinha e uma cigarra muito amigas.
Durante todo o outono, a formiguinha trabalhou sem parar, armazenando comida para o período de inverno.
Não aproveitou nada do sol, da brisa suave do fim da tarde e nem o bate-papo com os amigos ao final do trabalho tomando uma cervejinha gelada.
Seu nome era 'Trabalho', e seu sobrenome era 'Sempre'.
Enquanto isso, a cigarra só queria saber de cantar nas rodas de amigos e nos bares da cidade; não desperdiçou nem um minuto sequer. 
Cantou durante todo o outono, dançou, aproveitou o sol, curtiu prá valer sem se preocupar com o inverno que estava por vir.
Então, passados alguns dias, começou a esfriar.
Era o inverno que estava começando.
A formiguinha, exausta de tanto trabalhar, entrou para a sua singela e aconchegante toca, repleta de comida.
Mas alguém chamava por seu nome, do lado de fora da toca.
Quando abriu a porta para ver quem era, ficou surpresa com o que viu.
Sua amiga cigarra estava dentro de uma Ferrari amarela com um aconchegante casaco de vison.
E a cigarra disse para a formiguinha:
- Olá, amiga, vou passar o inverno em Paris. Será que você poderia cuidar da minha toca?
E a formiguinha respondeu:
- Claro, sem problemas! Mas o que lhe aconteceu? Como você conseguiu dinheiro para ir à Paris e comprar esta Ferrari?
- Imagine você que eu estava cantando em um bar na semana passada e um produtor gostou da minha voz. Fechei um contrato de seis meses para fazer show em Paris... A propósito, a amiga deseja alguma coisa de lá?
- Desejo sim. Se você encontrar o La Fontaine (autor da fábula original) por lá, dê-lhe uma dedada com o maior de todos, mande-o tomar no cu e ir para a puta que o pariu!

Você reclama de que mesmo?

Lista feminina de desejos

Eu quero um homem que...
Seja lindo, encantador, financeiramente estável, um bom ouvinte, divertido, em boa forma física, vista-se bem, aprecie as coisas mais finas, faça muitas surpresas agradáveis e seja um amante criativo e romântico.
Lista revisada aos 32 anos 
Seja bonitinho, abra a porta do carro, tenha dinheiro suficiente para jantar fora com certa frequência, ouça mais do que fale, ria das minhas piadas, carregue as sacolas do mercado com facilidade, tenha no mínimo uma gravata, lembre de aniversários e datas especiais, procure romance pelo menos uma vez por semana.
Revisão aos 42 anos 
Não seja muito feio, espere eu me sentar no carro antes de começar a acelerar, tenha um emprego fixo, balance a cabeça enquanto eu falo, esteja em forma ao menos para mudar a mobília de lugar, use camisetas que cubram sua barriga, não compre sidra achando que é champagne, lembre-se de abaixar a tampa da privada.
Aos 52 anos 
Corte os pelos do nariz e das orelhas, não coce o saco nem cuspa em público, não sustente as irmãs, nem as filhas do primeiro casamento, não balance a cabeça até dormir enquanto eu estou reclamando, não conte a mesma piada o tempo todo.
Aos 62 anos 
Não assuste as crianças pequenas, ronque bem baixinho quando dorme, esteja em forma suficiente para ficar de pé sozinho, use cueca e meias limpas.
Aos 72 anos 
Respire e lembre onde deixou seus dentes.
Aos 88 anos 
O que danado é um homem?

Quem sou eu?

Tenho, em média, 18cm, minha função é apreciada por pessoas de ambos os sexos.
Geralmente estou pendurado, balançando pronto para ação imediata...
Ostento um montinho de pequenos cabelinhos numa ponta e noutra termino de forma arredondada.
Em uso, estou inserido, quase sempre disposto, algumas vezes devagar, outras vezes rapidamente, num buraco quente, carnudo e úmido.
Sou empurrado pra dentro, puxado pra trás, empurrado novamente, puxado de novo várias vezes em sucessão, algumas vezes rapidamente e acompanhado de movimentos de torção corporal.
Qualquer pessoa que ouvir o barulho quando estou em uso irá quase sempre reconhecer o som rítmico e pulsante, resultante de movimentos bem lubrificados.
Quando finalmente sou tirado do buraco, deixo um líquido branco, meio espumante, que necessitará ser limpo do buraco e em toda sua volta e também do meu longo e brilhante corpo.
Depois que tudo terminou e o líquido parou de emanar, eu então descanso, depois, fico pendurado e balançando, pronto para um pouco mais de ação.
Meu sonho é ser usado 4 ou 5 vezes por dia mas, quase sempre é muito menos.
Quem sou eu?
A sua escova de dentes!

Sobre bananas e bananas

domingo, 29 de janeiro de 2012

Corintians goleia e assume vice-liderança

Foto: Blog do Seridó


Fim da escrita no Campeonato Estadual de Futebol.
Finalmente um clássico entre Caicó e Corintians teve um vencedor.
E só deu Corintians: um placar de 3 X 0, em tarde inspirada do atacante Zé Maria que fez dois, enquanto Edinho selou o placar final.
O jogo teve 2.619 pagantes e renda de R$ 24.800.
Com o resultado, o Corintians assumiu a vice-liderança do campeonato com 10 pontos ganhos, atrás apenas do ABC que chegou aos 11 depois da boa vitória sobre o América por 4 X 2.
Próximo compromisso do Corintians é quarta-feira, no Marizão, contra o Palmeira de Goianinha.
Já o Caicó, que caiu para a nona colocação, vai enfrentar o Assu no Estádio Adgarzão.
OS RESULTADOS DA RODADA

Palmeira 1 x 0 Alecrim
Caicó 0 x 3 Corintians
ABC 4 x 2 America
Assu 2 x 3 Santa Cruz
Potiguar 1 x 1 Baraúnas

Caicó X Corintians

Clássico é reeditado 
depois de seis anos

O último confronto direto entre os times do Caicó e Corintians ocorreu há seis anos.
Hoje, eles voltam a se enfrentar na rodada do Campeonato Estadual de Futebol.
Desde que os dois times caicoenses entraram no estadual simultaneamente, um tabu ainda resiste: nunca houve um vencedor nos confrontos entre Caicó x Coríntians pelo Estadual.
O duelo que os torcedores estavam esperando há seis anos pode quebrar esta escrita: vai dar Galo ou Raposa hoje no Marizão?. 
O Galo vem embalado pela boa vitória sobre o América, enquanto a Raposa também está com a motivação em alta após a vitória fora de casa sobre o Baraúnas.
A expectativa é que o estádio Marizão receba um público recorde, uma vez que a partida colocará em jogo uma série de atrativos. 
Vencendo, o Coríntians pode assumir a liderança do turno. 
No lado rubro-negro a vitória fará avançar três preciosos pontos na tabela de classificação.
BOLÃO - Embalado pela expectativa em torno do clássico caicoense, a RYFFS Corporation lançou uma edição especial de aposta: o Bolo Caicó X Corintians.
O próprio presidente da corporação, empresário Bibica de Barreira (torcedor do Caicó, diga-se), estava empenhado pessoalmente nas vendas do Bolão.
Até às 11 da manhã deste domingo, a RYFFS contabilizava quase R$ 900 mil em apostas.
Aliás, quem quiser fazer o seu palpite e concorrer ao Bolão, deve procurar a sede RYFFS até às 15h, quando as apostas serão encerradas.
O vencedor leva um prêmio líquido de 70% da arrecadação.
Dá-lhe, Galo! Dá-lhe Raposa! 
ATUALIZAÇÃO ÀS 16h31
Corintians abre o marcador, com Zé Maria.
Aos 24 do primeiro tempo: Corintians 1 X 0 Caicó.
ATUALIZAÇÃO ÀS 17h22
Zé Maria, aos 10 do segundo tempo de pênalti, faz o seu segundo gol na partida, aumentando para o Corintians.
Agora Corintians 2 X 0 Caicó.
ATUALIZAÇÃO ÀS 17h25
Edinho amplia.
Aos 14 do segundo: Corintians 3 X 0 Caicó.
ATUALIZAÇÃO ÀS 17h59
Fim de jogo. Corintians 3 X 0 Caicó.
Com o resultado, o Corintians é vice-líder do Campeonato Estadual de Futebol do Rio Grande do Norte.

Deu no Novo Jornal

ATRIZ POTIGUAR INICIA ROTINA DE GRAVAÇÕES DA NOVA NOVELA DA REDE GLOBO, ONDE QUER DESBRAVAR O MÍTICO DOS FOLHETINS SEM DEIXAR O TEATRO PARA TRÁS


RAFAEL DUARTE
DO NOVO JORNAL


A ENTREVISTA NEM tinha começado quando o repórter ouviu a exigência na cara:
- Não vá fazer uma matéria sensacionalista, tudo bem?
Os olhos grandes e os gestos largos de Titina Medeiros transformaram em promessa o que eu já tinha em mente. Na verdade nem precisava, mas a atriz insistiu. Não queria ler sobre ela mesma os velhos clichês que a mídia geralmente absorve no tetê-a-tete com as celebridades. Aliás, Titina está longe de se sentir a última coca-cola do deserto. Simples como uma Maria Cafuçu, a atriz que na infância se dividia entre o sonho de ser jornalista ou trompetista, se encantou com o teatro quando viu, aos 16 anos de idade, um monólogo da atriz portuguesa Maria do Céu Guerra no teatro Alberto Maranhão. A partir daí, como ela mesma diz, Natal não foi mais a mesma. 
Hoje, 15 anos depois de pisar o palco pela primeira vez, Titina vai encarar um papel diferente de tudo o que já fez. Vai interpretar uma empregada doméstica malvada na próxima novela das sete, da Rede Globo. Mas se vê no escuro. Titina não tem a mínima noção do que vai acontecer quando a carinha que os potiguares se acostumaram a ver nos espetáculos do grupo Clowns de Shakespeare ou nas propagandas da Conjol surgir em horário nobre na Globo. Medo talvez não seja o nome mais apropriado para classificar o que a menina de Acari está sentindo. Nem ela sabe. “Não sei explicar, mas não quero que usem a mídia como referência da mídia. É um trabalho apenas. Acho que isso assusta. Não tenho preconceito, mas tem uma coisa de preservar o cotidiano que já tenho, uma vida que já se leva, sabe? Não tenho medo, não sei falar sobre isso, mas é claro que desejo que minha natureza seja preservada. Não tem como negar que é uma superexposição, mas tem aquela coisa de focar o trabalho”, analisa.
Titina assume que foi noveleira na infância, mas nunca imaginou que fosse participar de algum folhetim. Isso só mudou ano passado, durante o festival de Curitiba, durante a encenação do espetáculo Ricardo III, quando foi convidada para fazer um teste na Globo. Escolheu um papel cômico e foi aprovada. “Um pessoal assistiu ao espetáculo se interessou por quatro atores. Eles passam tipos diferentes de textos e escolhi um cômico, mais para caricato. E deu certo”, conta. 
Seridoense, Titina veio em definitivo para Natal em 1992. Até então adorava passar as tardes vendo novela. Sabia tudo o que acontecia em todos os folhetins, com todos os personagens. Quando pisou pela primeira vez num teatro, tudo o que imaginava sobre a vida mudou. “Fui pela primeira ao teatro logo que cheguei para morar aqui com minha irmã e namorado dela (Sebastião Vicente, jornalista). Era o monólogo ‘O Pranto de Maria Parda’, com a atriz portuguesa Maria do Céu Guerra. Foi incrível. Como aquela mulher conseguia me levar para Portugal, Espanha sem sair dali!? A partir dali Natal não foi mais a mesma”, lembra. 
Poucos dias depois, leu num recorte de jornal sobre uma oficina de teatro com o diretor João Marcelino. Em alguns dias já era integrante do grupo Tambor de teatro. E as novelas sumiram. “Como geralmente os ensaios eram à noite, não tinha mais como ver novela. Mas era aquilo: fiz teatro porque vi uma peça de teatro e não porque via novela”, diz.  
O que mais chama a atenção da atriz com a chegada do novo trabalho é o que ela chama de jogo. Titina não vê a hora de desbravar o universo mítico das novelas. “É uma brincadeira dentro de uma brincadeira, vai ser bom ver como eles jogam, aquelas coisas que são míticas para a gente. E a novela faz parte do universo mítico da gente. E ver como isso se realiza, estando lá dentro, é um presente”, comenta antes de reiterar a exigência anti-sensacionalismo do início quando o repórter provoca perguntando se ela já se imaginou chegando em carro aberto em Acari depois do sucesso da novela.  
- Hômi, pelo amor de Deus, claro que não! Olhe, coloque aí que isso é só um trabalho, viu? Ai minha nossa senhora da Guia...

Voltar a ser criança na FIART


Atenção meninos de 40 anos ou mais: ainda dá tempo de ir à 17ª Feira Internacional de Artesanato - FIART, que se realiza no Centro de Convenções, em Natal.
Um mundo de produtos para todos os gostos, incluindo comidas, utensílios domésticos, quadros, bebidas, bordados de Timbaúba dos Batistas (a Capital Mundial do Bordado) e brinquedos.
Lá vocês vão encontrar as maravilhas destas fotos: representações de banda de música em madeira, pião, roi-roi, carros e aviões de madeira de todos os tipos e modelos, um espetáculo pra quem foi criança no tempo em que computador era mera ficção científica.
Bia e João, herdeiros do blogue, ficaram brincando de soltar pião até quase meia-noite, e agora pela manhã vão recomeçar tudo de novo.
Esta é uma maravilha que ainda hoje encanta a geração TV/computador/internet: sensacional!
A feira termina hoje.
Corra que ainda dá tempo de rever e brincar com aqueles apetrechos, como se você ainda fosse um menino buchudo e caraquento.

Desculpas clássicas para terminar um relacionamento

...E o verdadeiro significado delas

Estou numa crise comigo mesmo. Tenho que respirar.
Tradução: você é a minha crise. Suma e minha vida vai melhorar, acredite.
Você vai ficar melhor sem mim. Juro. Vai encontrar um cara à sua altura. 
Tradução: já encontrei uma mulher à minha altura. Bye. Sorry. Chispa.
Vamos apenas dar um tempo. Quem sabe em breve nos reencontremos. E para sempre.
Tradução: saindo daqui vou deletar seu número da agenda do meu celular. Até nunca mais.
Tenho uma coisa para te dizer nesta conversa final: você é uma guerreira incrível.
Tradução: pegue suas armas e vá guerrear longe de mim.
Tenho que ficar sozinho um tempo. Sou um cara solitário. Não sou boa companhia para ninguém. Você sabe.
Tradução: olha, ficar com você é o pior tipo de solidão.
Nós vamos sempre nos amar, acredite. Apenas de uma maneira diferente. A distância vai evitar que o nosso amor se desgaste. 
Tradução: faz tempo que não sinto mais nada por você exceto tédio. Quero você o mais longe de mim possível.
A gente perdeu aquela chama. Só a distância pode reacender aquele nosso fogo.
Tradução: agora vejo você pelada e é como se estivesse vendo minha mãe.
No Grande Plano Cósmico, no Infinito Espiritual, estaremos sempre juntos. Nada vai nos separar.
Tradução: mas aqui na velha e boa Terra quero você bem longe.
Eu abafo você. Você vai crescer como mulher sem mim. Fica sossegada.
Tradução: cresça e desapareça.
O problema sou eu.
Tradução: meus problemas acabam agora que me livrei de você.

Valentim Cardoso, o Satanás

São Bento José Labre
29 de janeiro de 2012
Valentim Cardoso, o Satanás


VALENTIM CARDOSO — Conhecido por Satanás, filho de Francisco das Chagas Romão e Zulmira Belarmino Romão, moradores no sítio Putrião, então município de Caicó, ainda muito jovem tornou-se por antonomásia Satanás, terrível criminoso, um dos maiores matadores de aluguel da região. 
Lenda em Caicó e em todo o Seridó, não só pela sua destacada participação na revolta do Quebra-Quilos, em 1874, quando, aos 18 anos de idade, já retalhava carne no Mercado Público, localizado onde hoje é a Praça da Liberdade, como pela fama que a partir daí conquistou como justiceiro e pela valentia que sempre demonstrou na perseguição a criminosos e bandidos, Valentim considerava-se agente da lei.  Onde nem a Polícia nem a Justiça compareciam, ele, sendo chamado, resolvia. 
Sempre jurou que durante toda a vida só matou uma pessoa, marginal que tentou tomar-lhe uma mulher em Natal, à noite, e quando foi no outro dia estava morto na beira da praia, com um tiro no meio da testa.  À sua repetida defesa acrescentava ser mentiroso o boato segundo o qual teria envenenado o próprio pai para herdar um pedacinho de terra no Putrião.
Todas as intervenções que fez ou ajustou no mundo do crime teriam sido, sem exceção, sempre a serviço de alguém.  
Ademais, a sua atividade principal por muitos anos fora a de vender e trocar armas, negocio honesto e lucrativo.   Nesse ramo trabalhou mais de 20 anos, e não tem noção ou idéia de quantas armas de fogo negociou.   
Nunca participou de nenhum homicídio ou de qualquer outro crime em Caicó, atendendo ao pedido feito pelo pai nesse sentido, logo depois do rumoroso caso de sedução em que se envolveu.  O velho pai tinha medo de ser vingado pelos desatinos praticados pelo filho.  Valentim afastou-se do Seridó e ao município de Caicó só retornou mais de 30 anos depois.   
Com cinco filhos de dois casamentos, quatro permaneceram em Natal e uma filha, ao enviuvar, passou a viver em sua companhia com os dois filhos.   
Ao falecer, em avençada idade, Valentim era homem pacato, que não perdia ofício religioso na Igreja Católica e cuidava dos netos com muito mais carinho do que cuidara dos próprios filhos.  
Representava prova real de que as pessoas podem mudar para melhor.  Quem diria que Dimas viesse a ser o único santo de quem ninguém pode duvidar de sua real entrada no céu.  O primeiro e único a ser canonizado, ainda na cruz, pelo próprio Cristo!
O que teria convertido Valentim de bandido e herege em cidadão pacato e devoto?  Medo da morte?  Arrependimento?  Catequese de algum religioso?  Alguma visão?
Tudo aconteceu quando tomou conhecimento da canonização de um santo e tornou-se seu devoto.  Antes de satisfazer a curiosidade de quantos o indagavam, pregava as virtudes do seu padroeiro: 
MENDIGO DO COLISEU — “O santo da minha devoção não pertenceu a nenhuma ordem religiosa, era leigo e nunca se preocupou com obras sociais ou caritativas. Era apenas um místico. Talvez nem isso; digamos que era um homem piedoso. Deve estar entre os mais pobres dos santos do Céu. E sem dúvida é o mais humilde de todos. O mais miserável e o mais desprezível. Nunca vi uma efígie dele, nem nunca ouvi nenhum sacerdote pronunciar sequer o seu nome numa igreja. Nunca! Santo, continua tão escondido como viveu em Roma e nos santuários católicos da Europa. Nas ruínas do Coliseu, para dormir, e nos monturos, procurando restos de comida para se alimentar.”
E sem permitir intervenção no discurso, continuava cada vez mais entusiasmado:
“Tentou entrar em três ordens religiosas, e por todas foi recusado.
Quando descobriu que o seu destino era peregrinar, começou a percorrer santuários da Europa, tarefa que lhe consumiu alguns anos, andando a pé, sem dinheiro e sem comida, dormindo no chão, sob todas as intempéries.  Certa vez um padre o mandou prender por suspeita de roubo de um cálice.  De outra feita foi socorrer um ferido por bandidos numa estrada e foi acusado de ser o assaltante.  Tudo enfrentava com paciência e humildade.  Quantas vezes não foi enxotado por pedradas nas ruas por causa de seus andrajos e do cheiro nauseabundo que exalava.  
Curou alguns doentes e, noutra ocasião, sensibilizado com a fome de alguns mendigos, milagrosamente multiplicou pães!   As esmolas que recebia em dinheiro repassava para os que considerava mais necessitados do que ele.
Quando terminou suas peregrinações fixou-se em Roma.  Aí é conhecido como o “Mendigo do Coliseu”. Passava o dia quase todo orando nas diversas igrejas, principalmente em Santa Maria dos Montes.
Com a saúde abalada, aceitou a internação num abrigo para velhos.  Era sempre o último a chegar para receber o seu quinhão de sopa, e não raro doava-o a outro doente que estivesse precisando de mais comida.
Ninguém neste mundo foi capaz de ter um conceito tão baixo de si mesmo como ele.  Ninguém foi mais pobre, paciente e humilde. 
Quando morreu, aos 35 anos de idade, numa quarta-feira santa, um cardeal escreveu que a comoção popular no túmulo desse mendigo provocou um espetáculo que edificava uns e escandalizava outros.  O cardeal estava do lado dos escandalizados, pois durante os quatros dias da Semana Santa não foi possível celebrar nenhuma cerimônia em Santa Maria dos Montes, tal a multidão que invadiu o templo para orar no túmulo, tocar nele ou dele retirar uma relíquia qualquer. 
Na verdade foi o maior santo do seu século.  Em plena época do racionalismo radical, a sua incessante oração teve o valor de um protesto divino contra os que pretendiam destruir a fé.”
E concluía o sermão perguntando a quem o ouvia:
“De quem falo? Também não sabe? Ninguém sabe! Dele só existe um retrato que um pintor de rua fez enquanto ele orava em êxtase. Nada mais. Não ficaram roupas, nem calçados e nenhuma outra lembrança material, nem mesmo os dois ou três livrinhos de orações que ele utilizava. Ficaram apenas os exemplos de suas penitências. São Bento José Labre, o Mendigo do Coliseu, o Cigano de Deus, o santo da minha devoção.”
CRIMES — Valentim era acusado de ter participado de nada menos que 72 eventos criminosos! 
É claro ser inviável contar todos os crimes e arbitrariedades cometidos por Satanás ao longo de sua vida de assassino. Seria o mesmo que repetir histórias que já nenhum interesse despertam no público, porque não contêm aqueles ingredientes hediondos ou inusitados que provocam calor infernal ao crime, impondo pavor e terror a todos.   Hoje já ninguém se espanta com o homicídio qualificado previsto no Código Penal.  Para que chame a atenção o crime tem de estar muito acima do que possa engendrar a maldade humana comum.   Satanás não era nenhum pé-rapado do banditismo. Conhecia todos os estratagemas que conduziam à cadeia e ao cemitério e, acima de tudo, a ganhar dinheiro com o exercício da crueldade e do banditismo sem morrer nem ser preso.
Valentim, na verdade, foi um cruel bandido, matador sem dó nem piedade. A todos atemorizava, pois no seu tempo de banditismo ninguém teria coragem suficiente para denunciá-lo.  Era muito mais seguro ser seu amigo. Na próxima semana relatarei alguns dos mais bárbaros crimes desse gigante dinossauro seridoense, devorador implacável de vidas humanas. Para que se possa avaliar o rigor do presente resumo, informo que as anotações do rábula José Altino Pereira a respeito da folha corrida desse bandido, que certamente ele conhecia por completo, contêm 150 páginas de papel almaço manuscritas, e, ainda assim tão longas, o velho rábula alerta tratar-se apenas de apertada síntese!
Procurador federal e ex-prefeito de Caicó