segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

BAR DE FERREIRINHA CIÊNCIA

Como Pitágoras elaborou o teorema


O sábio grego Pitágoras estava com um problema que não conseguia resolver.
Como não parava em casa, a mulher dele, Nusa, aproveitava-se da situação e transava com os quatro cadetes do quartel ao lado.
Um dia, Pitágoras, cansado, voltou mais cedo para casa, pegou Nusa no flagra e matou os cinco que faziam uma orgia.
Na  hora de enterrar os safados, em consideração à esposa, dividiu o cemitério ao meio e de um lado enterrou a mulher e dividiu em quatro partes o outro lado e enterrou cada cadete num quadrado.
Subiu na montanha ao lado do cemitério para meditar e, olhando de cima para o cemitério, achou a solução do seu problema.
Era óbvio: a soma dos quadrados dos cadetes é igual ao quadrado da puta Nusa. 

Velhinha fogosa

Um fazendeiro, ao retornar à pé para a fazenda, parou na loja de ferragens e comprou um balde e um galão de tinta. 
Entrou no armazém e comprou dois frangos e um ganso, vivos.
Quando saiu do armazém, parou e ficou matutanto sobre como levar as compras para casa. 
Enquanto coçava a cabeça, apareceu uma velhinha que lhe disse estar perdida e lhe perguntou:
- O senhor pode me explicar como chegar até a Estrada das Andorinhas, 1603?
- Bem, minha fazenda fica próxima a esse local. Eu a levaria até lá, mas ainda não resolvi como carregar tudo isto.
A velhinha sugeriu:
- Coloque o galão de tinta dentro do balde, carregue o balde em uma das mãos, um frango sob cada braço e o ganso na outra mão.
- Muito obrigado - disse o homem - é uma boa idéia.
A seguir, partiram os dois para o destino. 
No caminho, ele disse:
- Vamos pegar este atalho, pois economizaremos muito tempo.
A velhinha o olhou cautelosamente e disse:
- Eu sou uma viúva solitária e não tenho como me defender. Como saberei se quando estivermos no atalho o senhor não avançará em cima de mim e levantará minha saia pra transar comigo?
O fazendeiro então retrucou:
- Impossível! Estou carregando um balde, um galão de tinta, dois frangos e um ganso, vivos. Como eu poderia fazer isso com tanta coisa nas mãos, sendo que se as soltar, as aves fugirão?
 A velhinha protamente respondeu:
- Coloque o ganso no chão, ponha o balde invertido sobre ele, coloque o galão sobre o balde e eu seguro os frangos...

Kadhafi telefona pra Bibica e diz que Libia está calma

O líder líbio, Muammar Kadhafi, afirmou neste domingo(27) numa conversa telefonica com o empresário Bibica de Barreira que a Líbia está "completamente calma", e que as decisões do Conselho de Segurança da ONU sobre o país "não tem valor". A Líbia está "completamente calma e não há distúrbios no país", garantiu Khadafi. Ele disse ainda que a decisão do Conselho de Segurança da ONU no sábado de impor sanções a viagens e ativos dele e de aliados próximos é inválida e vazia.Pediu muitas desculpas a Bibica por não poder participar do carnaval em Caicó.Segundo Bibica,Kadhafi prometeu que assim que terminar essas fuleiragens lá na Libia vem a Caicó fazer uma grande farra.Bibica ainda disse a imprensa que Kadhafi é um cara muito legal...


Mulher confunde cola com colirio

Paula Gamela, 39, quase ficou cega após confundir um tubo de cola para unhas postiças com colírio. Ao acordar, ela pingou duas gotas de cola no olho direito, e suas pálpebras ficaram grudadas. "Estava cansada e não percebi", conta a moradora de Santa Cruz. De acordo com os médicos, ela só manteve a visão porque a cola caiu apenas no canto do olho.Paula é uma das putas de Caravéa...


Lero de pé e pinto

O pé fala com o pinto:
-Sabe pinto andei pensando e vi que você leva uma vida numa boa dentro dessa cuequinha de seda, enquanto eu fico dentro desse sapato fedido, dando topada em quina de mesa e de vez em quando pegando uma friera.
Pinto:
É mas não e tao bom quanto você pensa, de vez em quando estou numa boa o cara vai me bota para fora de casa, me enfia num buraco escuro, não sabe se põe ou se tira acabo ficando tonto vomito e desmaio...

Consigo mesmo, comigo mesingo

Via:"De Bruçus pru Cocô"...

Era uma vez seis homens pelados.
Eles estavam pelados por três motivos simples:
1.Era verão.
2.Ninguém tinha vergonha de seu respectivo corpo.
3.E eles eram gays.
Além disso, havia também dois copos descartáveis e uma garrafa de velho barreiro.
Esses detalhes não são importantes. Mas o que irei descrever a seguir, é de total importância para a narração.
Ao lado dos seis homens nus, os copos descartáveis e a garrafa de velho barreiro, uma pequena minhoca atravessava o campo onde tudo isso acontecia. Ela era uma minhoca comum, de tamanho padrão. Ela cruzava o campo sem motivo. Porque ela era uma minhoca, e por ser uma minhoca, ela fazia coisas sem pensar. Às 15hs daquele dia, o animal estava um pouco mais a frente do grupo de amigos gays. Mas nenhum deles notou o pequeno anelídeo, pois ele era muito pequeno. E nem se tivessem notado, iriam dar bola. Pois ninguém se importa com este tipo de ser vivo. Mas, desta vez, até mesmo o dono do mundo deveria se preocupar com esta minhoca. Porque ela ostentava toda a sabedoria do universo em seu pequeno corpo.
Agora abrirei um pequeno espaço para explicar o que está acontecendo:
No universo, antes de tudo existir, haviam três preciosos dedões do pé. E cada dedão possuía a verdade, ou conhecimento universal. Eles conheciam e sabiam de tudo por trás da existência e até mesmo porque eles eram em forma de dedões. Mas um dia, aconteceu o big bang. Que, aliás, foi uma unha encravada em um dos três dedões. A explosão foi praticamente o pus se expalhando. Mas a explosão foi tão devastadora que o dedão com a unha encravada se despedaçou em infinitos pedaços. Não, estes pedaços não viraram a terra e todo o resto do universo. Mas viraram DEUSES. Sim, Deuses. E cada pedaço criou seu próprio universo. E um desses Deuses criou o nosso universo. Conhecido entre os Deuses e os Dedões de "Hyrhalgnbpew uihfeikepwo", ou em nossa língua: Clóvis Flor.
Você deve estar se perguntando o que tudo isso tem a ver com a maldita minhoca.
Bem, vou continuar:
Algum tempo depois. Muito tempo, na verdade, o segundo dedão começou a ficar entediado. Segundo ele, a vida como Dedão estava ficando rotineira. Ele queria experimentar novas experiências. E consultou o outro Dedão para ver como poderia sanar seu tédio. Durante muito tempo conversaram sobre isto. Até que chegaram a conclusão. O segundo Dedão iria se desmontar a nível de moléculas. E cada molécula dele iria possuir todo o conhecimento que ele possuía. Então ele fez isto. E se espalhou por todo o universo.
Então, certo dia, ele se tornou parte desta minhoca.
Voltando para a história:
O pequeno ser continuava a se rastejar pelo imenso gramado até que de repente, explodiu.
Sem mais nem menos. Explodiu.
Mas, como no universo, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma, as moléculas da sabedoria infinita só iriam ser transmitidas para outro ser vivo, e algum dia iria cair em mãos humanas. Isso na prática.
Uma bactéria se alimentou da molécula. Então mais tarde, se dirigiu até um curral, onde um porco acabou ingerindo a bactéria. Alguns dias mais tarde, abateram o animal. A carne foi empacotada e entregue a um mercado. Onde um rapaz comprou a carne, e levou até o laboratório onde trabalhava. Assou o alimento e no momento que ia ingerir o pedaço da carne com a molécula, ele a deixou cair no chão. Como o indivíduo era fresco, juntou a carne e jogou em uma cela onde um animal estava. Este animal era um macaco treinado. Ele comeu. Meses depois, enviaram o animal para uma expedição espacial. Onde nunca mais retornaria, por problemas na fuselagem do foguete.
Foi assim que a humanidade perdeu sua única chance de evoluir e não se extinguir com a breve implosão do planeta Terra...


É coisa nossa

Duas coisas bem brasileiras: samba e atear fogo na própria casa para pleitear na Prefeitura uma indenização. Duas coisas bem brasileiras: feijoada e furar filas.
Duas coisas bem brasileiras: caipirinha e forjar laudos de perícia para se aposentar por invalidez pelo INSS.
Duas coisas bem brasileiras: bunda e reclamar da ineficiência dos órgãos públicos vendendo o voto por uma caixa de cerveja.
Duas coisas bem brasileiras: futebol e comprar produto roubado porque é barato, achando absurdo a situação da criminalidade no país.
Duas coisas bem brasileiras: belezas naturais e ponta de cigarro na calçada.
Duas coisas bem brasileiras: povo alegre e que combate a violência a pauladas.
Duas coisas bem brasileiras: Carnaval e bandidos travestidos de movimentos sociais com a chancela do Governo...


Fidel é foda

Em Cuba, um menino chega da escola faminto e pergunta à sua mãe: - Mamãe, o que vamos comer?
- Nada, filhinho.
O menino vê o papagaio da casa e diz:
- Nem papagaio com arroz?
- Não temos arroz, filhinho.
- E papagaio assado?
- Não temos gás.
- Assa na churrasqueira elétrica!
- Não temos eletricidade, filho.
- Que tal papagaio frito?
- Não temos óleo, querido.
Grita o papagaio:
- VIVA FIDEL...


As benesses da traição

Via:Bar do Bardo...
Traído, que me deixem. Eu ignoro.
Na festa à meia-luz do sentimento,
a amante me reduz a pelo ou poro,
o amor é reduzido a apalpamento.
Palpito de meu peito a quem adoro
um coro de inconstante falimento.
Comprovo pela dor e corroboro
com choro de maricas que lamento
não ser o paradigma para o magma.
Sou antes um enigma que detesto,
fumaça sem incêndio, porra, lágrima.
Perdoo quem tem caráter e emoção,
fiel a feminista ao manifesto:
impossível amar sem traição...


domingo, 27 de fevereiro de 2011

PENSATA

Será só megalomania?
Marcelo Medeiros


É de interesse do natalense que alguns jogos da Copa do Mundo aconteçam aqui, afinal, com eles virão também (imagina-se) vantagens para nossa cidade. Porém, Copa do Mundo é um grande negócio. Existe todo tipo de interesse envolvido nisso. Alguns, acredito, são legítimos e de boa fé. Outros, que talvez nem Deus com toda a sua onipotente sabedoria saiba, estão camuflados, são falácias que visam a beneficiar alguns espertalhões inescrupulosos, e que nessas horas criam imensas dificuldades, para depois venderem facilidades. São verdades mentirosas.
O que acontece aqui na terrinha me parece bastante emblemático. Temos um estádio que, a exemplo de outros, pode perfeitamente ser reformado, atendendo às exigências necessárias gastando-se bem menos que na construção de uma nova arena, e também sem alienar nenhum patrimônio público nem endividamentos a perder de vista. Será que estamos nadando em dinheiro quando sabemos a situação caótica em que se encontra o hospital Walfredo Gurgel, por exemplo? Existem vários modos de se promover um grande acontecimento. Obviamente, temos que seguir alguns parâmetros, mas fazendo dentro das nossas possibilidades. EUA, Japão e Alemanha, como países ricos que são, fizeram com todo o luxo que o dinheiro pode pagar. Já a África do Sul, nem tanto. Ora pois! Vamos fazer a nossa, com os dois pés no chão e não com as quatro patas.
Partindo agora para o terreno da analogia, isso me parece com aquela pessoa de poucas posses que vai ao casamento da filha de um amigo rico e fica deslumbrado com a apoteose da festa. Pouco depois, vem o casamento da própria filha. Aí ela cai no desplante de fazer igual. Para tanto, vende a casa onde mora (único patrimônio), contrai um papagaio no banco, toma algum emprestado aos amigos, e dá aquela festona. Na hora é só alegria. Pouco tempo depois, o casamento vai pro beleléu, o genro se manda, as contas não param de chegar e de saldo lhe restou um netinho para criar. Portanto, repito: vamos pisar com os dois pés no chão e não com as quatro patas!!!
Membro do Conselho Editorial do Bar de Ferreirinha

CARNAVAL 2011

Bibica de Barreira é o garoto-propaganda da Copa 2014 em Caicó

A festa da RYFFS está pronta


Está praticamente tudo pronto para o Carnaval 2011 em Caicó, que é de rua e também dos Vips, nos camarotes que circundam o palco da Ilha de Sant’Ana.
O Bar de Ferreirinha conversou com o promoter do Camarote RYFFS Enterprise, o mais animado do Carnaval de Caicó, que este ano tem como tema Caicó 2014 – A Copa do Mundo é Nossa.
Caco Dentão teve a missão de comandar a lista vip de convidados e preparar todas as festas que vão rolar durante o período carnavalesco no Camarote RYFFS, que ficará ao lado do palco principal da Ilha de Sant’Ana.
Nesta conversa com o blogue, Dentão revela algumas de suas práticas e explica como funcionam as listas, nas quais muitos querem estar, mas nem todos conseguem.
Segundo ele, a relação de convidados deve atender ao desejo do patrocinador do camarote, no caso o empresário Bibica de Barreira, que aprova pessoalmente a lista
O Camarote RYFFS Enterprise terá este ano o astro-gay Ricky Martin, o poeta e músico Damião Experiênça, a ex-BBB11 Ariadna, que era homem e virou mulher, e os performáticos Homem Língua e Homem Rôlas, além de políticos como vereadores de Timbaúba dos Batistas, Santa Cruz, Caicó e Jucurutu, e suplentes de Ipueira, São João do Sabugi e São Fernando.
São nomes que estão em alta e geram mídia espontânea para a RYFFS, que entrou na luta para levar os jogos da Copa do Mundo para Caicó.
Segundo Caco Dentão, oferecer cachês para artistas e personalidades comparecerem ao Camarote RYFFS Enterprise Caicó 2014 – A Copa do Mundo é Nossa é uma prática normal: afinal eles estarão emprestando suas imagens para marcas e patrocinadores.
Além disso, o camarote RYFFS Enterprise dá as passagens para Caicó, hospedagem na Rede Old Cow de Hoteis e toda a assessoria nos dias das badalações, com direito a acompanhante.
Quase dava confusão entre as assessorias de Ariadna e Ricky Martin, porque os dois artistas queriam Paulão como acompanhante.
O problema foi resolvido quando os convidados aceitaram o revezamento: Paulão ficará um dia com cada um.
No Camarote RYFFS Enterprise Caicó 2014 – A Copa do Mundo é Nossa a diversão é garantida: os organizadores oferecem serviços de transportes, maquiagem, customização de camisetas, jantar, quitutes, bebidas, shows exclusivos nos intervalos das bandas, entre outras mordomias.
E no fim, em ônibus fretado, todos descem para os barracos do açougue, onde vão degustar o caldinho da caridade.
Haja fôlego!

O Carnaval de Dilma em Caicó

Informação na coluna Notas e Comentários, do jornal Tribuna do Norte, repercutiu furo dado pelo Bar de Ferreirinha em relação à vinda da presidente Dilma para o carnaval em Caicó, quando ficaria hospedada na casa do empresário Bibica de Barreira. 
Embora a assessoria do Palácio do Planalto não confirme, os preparativos estão avançados. 
Confira:


Carnaval de Dilma
Os preparativos prosseguem na Mansão do empresário Bibica de Barreira  para receber a presidenta Dilma Rousseff no carnaval. As informações ainda não são oficiais, mas integrantes da Força Área Brasileira e do Palácio do Planalto fariam uma vistoria no local neste fim de semana. A assessoria da Presidência da República, por enquanto, ainda não confirma que a presidenta estará na Mansão de Bibica de Barreira. Afirma apenas que, se ela vier mesmo, a programação não terá caráter administrativo nem político. Por isso, não divulgará a viagem com antecedência.


Bibica, entretanto, confirma a vinda de Dilma e acredita que Lula também vai pintar em Caicó no Carnaval.


Noticia que deverá suspender o carnaval em todo o Brasil

Por que Luciana Gimenez foi parir em Nova Iorque?
Ela responde: 
NÃO TENHO NADA CONTRA O BRASIL, MAS JÁ TENHO UMA MÉDICA QUE AMO DE PAIXÃO AQUI, MEU PRIMEIRO FILHO NASCEU EM NY E QUERIA QUE O SEGUNDO NÃO TIVESSE NADA DIFERENTE. 
SEM FALAR QUE O NOSSO CALOR ME ESPANTOU UM POUCO. 
AMO O VERÃO, MAS TODA GRÁVIDA SABE: CALOR É DIFÍCIL. 
E NÃO SOU UMA GRÁVIDA MAGRA QUE COLOCA UM BIQUÍNI E VAI PARA IPANEMA. 
NÃO ROLA! 
FICO INCHADA, O DESCONFORTO É ABSURDO. 
ESCOLHEMOS NY UM LUGAR QUE ADORAMOS E FAZ FRIO...
Por: BICHO PREGUIÇA DESIGN

O Carnaval d'Obotequeiro


Foi ontem, organizado por João Dias, o lindão que está de peruca azul.
Botequeiros de todas as idades foram ao Grito de Carnaval, no Bar da Dobradinha, em Mirassol.
Festa animada, com som de DJ e de Reinaldo Azevedo e Trio.
Carnaval com rock e anos 70, sim senhor!
Foi um aperitivo pra cana maior, a partir do próximo fim de semana em Caicó.
A galera vai descer em peso para o melhor Carnaval do Rio Grande do Norte.


Uma história desnudada (III)


Foto: Bordel japonês de bonecas infláveis

27 de fevereiro de 2011
Uma história desnudada (III)

Ao depor, Tião confirmou tudo que os escravos tinham declarado sob tortura. Negou que Engrácia tivesse outro amante a não ser Francisco  Galdino, pois era quem ajeitava dia e hora para os encontros de forma que nada transparecesse. Acrescentou que o patrão certa feita disse estar apaixonado por uma moça de Patos, cujo nome ou qualquer outra informação jamais  revelou a ninguém. E que o ex-empregado da fazenda chamado Eulâmpio sabia de mais envolvimentos de Francisco Galdino com outras mulheres da vida. Depois do depoimento, Tião mudou-se para Pombal e de lá desapareceu e nunca mais dele se soube.
Manoel Leandro confirmou que sabia do caso entre sua mulher e o patrão.  Negou que ela mantivesse qualquer outro relacionamento. Disse que o patrão lhe oferecia certas vantagens para que ele tolerasse a infidelidade da mulher.  Disse mais que Tião sabia de tudo a esse respeito porque era quem acertava as coisas para que os encontros dos amantes pudessem ocorrer com segurança e sem escândalo.  
Informou que fora realmente chamado por dona Ana Catarina que lhe determinou abandonasse a fazenda com a mulher porque tinha tomado conhecimento do mau procedimento dela. Na ocasião dissera a dona Ana Catarina que assim que o marido dela retornasse iria pedir as contas. Acrescentou que Tião atuava como lugar-tenente do patrão na fazenda. Que ninguém mataria dona Ana Catarina, uma santa mulher, a não ser o seu próprio marido, apaixonado por uma sirigaita qualquer. 
O relatório do Padre Joaquim esclarece que logo em seguida Manoel Leandro e a mulher foram morar no interior do Ceará, região do atual município de Uruburetama, onde, meses depois, o queijeiro assassinou a mulher, evadindo-se sem deixar rastro!
Baiá era irmã de Otaviano Caiana, proprietário de casa de jogo e  bar no velho Caicó. Fora casada com policial, músico, que abandonou para se amigar com mascate de tecidos, negociante na ribeira do Piranhas, entre Jardim e a região do atual município de Jucurutu, onde possuía um pequeno sítio denominado Mimoso.  Baiá escamoteara tanto dinheiro do mascate que, quando se sentiu suficientemente capitalizada, largou-o e abriu um cabaré. Esse prostíbulo  era a pousada certa de Francisco Galdino em Campina Grande. A novidade que Baiá transmitiu a José Altino Pereira, conhecido rábula daquele tempo no Seridó, e grande colaborador do Padre Joaquim, foi a existência de Maria das Dores Alencar, que já fora sua hóspede e dizia ter sido Francisco Galdino o primeiro homem de sua vida e que o pai dela tinha recebido dele pequeno sítio, à margem do Piranhas, como reparo do desvirginamento.  
As inúmeras outras mulheres mencionadas ou aludidas na documentação oficial, no zumzumzum popular e nas intrigas dos desafetos nenhuma contribuição oferecem a qualquer justificação da mais escandalosa condenação judicial já executada no Brasil. Em nenhuma versão, por mais capciosa que seja, podem servir como provas a favor ou contra os acusados.
O próprio Francisco Galdino, que nos interrogatórios policiais sempre jurou inocência, e fez constar de seus depoimentos que os demais presos tinham confessado sob intensa tortura, confirma, ponto por ponto, o relato do Padre Joaquim e as anotações pessoais de José Altino.
Francisco Galdino, num momento de descontrole e ira, expulsou bruscamente da fazenda Galiséu antigo posseiro — Eulâmpio Sabino de Souza, que, antes de o imóvel ser adquirido pelo novo dono, havia muitos anos residia no lugar, onde cultivava pouco mais de um hectare de terra.  Eulâmpio, agricultor de uns 40 anos de idade, vivia com  Vicentina Eleutéria, mãe de duas filhas solteiras, Maria do Rosário e Maria do Socorro, de 15 e 16 anos. Vicentina e as duas filhas estavam grávidas de Eulâmpio! Sem demora, Eulâmpio e suas mulheres sumiram do lugar, e deles ninguém nunca mais tinha tido notícias.  
Com a morte de Ana Catarina a boataria transformou Eulâmpio num suspeito relevante.  Zé Altino e Padre Joaquim localizaram Eulâmpio no povoado de Malta, na Paraíba, vivendo não só com três, mas com quatro mulheres! 
Logo depois que se estabilizou em Malta, convidou Bevenuta, conhecida por “Nutinha”, irmã mais moça de Vicentina, que ficara com a posse do terreno do Galiséu, para ir morar com ele, a irmã e as sobrinhas. A moça não demorou a se tornar integrante do harém de Eulâmpio!
Logo no primeiro ano em Malta, Nutinha engravidou e aumentou a prole de Eulâmpio para seis filhos, um dos quais, o mais velho, era casado com Marta Cristina, filha de Altiva Reis, então prostituta em Patos, com Francisco Galdino! Marta informou que a mãe, depois do seu nascimento, casou com o comerciante Lourival da Mota Siqueira e reside em Recife. Marta foi criada por casal dono de modesto Circo mambembe, onde passou a trabalhar ao completar 12 anos e onde conheceu e casou com Ernesto Eleutério de Souza.
Outra sensacional revelação de Eulâmpio foi a de seu encontro com Sebastião Primo Silva, na feira de Pombal, alguns meses depois do crime da Suçuarana em Caicó. Ele contou a José Altino que bebendo cachaça com Tião na feira de Pombal, este se gabava de ter recebido três contos de réis de Manoel Garcia de Medeiros para acusar Francisco Galdino no depoimento à Polícia. Acrescentava que mesmo assim se sentia um bobo por não ter tirado todo o dinheiro do cofre. Quando Ana Catarina acordou a arca já estava aberta, o dinheiro e as jóias nas mãos dele. Quase embriagado confidenciou que ia embora, morar em Maracás, na Bahia, onde fazendeiro amigo o convidara para lutar com gado.
A localização em Fortaleza de Maria das Dores Alencar, citada no processo como uma das amásias de Francisco Galdino, foi muito importante porque comprovou que ela de nenhum modo, direta ou indiretamente, contribuíra para a consumação do crime da Suçuarana e, ao mesmo tempo, elucidou outro crime bárbaro até então insolúvel. 
Casada com Antônio Genésio Gomes, funileiro, vivia financeiramente independente. Informou, sem tergiversação, que o primeiro homem de sua vida fora realmente Francisco Galdino, que o desvirginara aos 14 anos de idade. Em compensação pela desfeita, o pai dela — Alto Alencar, recebera de Francisco Galdino uma pequena propriedade rural, chamada Moscatel, à margem do Rio Piranhas. Vicente Graúna, proprietário de terras na região, dono do referido sítio, amigo de Francisco Galdino,  sabia das veladas ameaças de vingança feitas por Alto Alencar contra o amigo. Viabilizou a transação, vendendo para o pai dela o pequeno sítio, pago por  Francisco Galdino. 
Quando Dasdores (assim era conhecida na intimidade) descobriu que a mãe —  Margarida Alencar, traia o pai com o mesmo Vicente Graúna fugiu para um cabaré de Campina Grande. Quando se juntou com Antônio Genésio passou a morar em Fortaleza.  O pai dela, menos de um ano depois, vendeu o sítio e assassinou Vicente Graúna, com requintes de crueldade, inclusive decepando-lhe o pênis.  Em seguida assassinou a própria esposa e a enterrou com o órgão decepado do amante. O crime de Vicente Graúna permanecia insolúvel e o de Margarida Alencar jamais fora sequer noticiado!  
Em 1887, como já se sabe, Francisco Galdino passou todo o período da Festa de Sant’ Ana em Caicó, hóspede de seu velho amigo José Altino, que tudo providenciou para que o hóspede se sentisse como em sua própria casa em Buriti no Piauí. Foram momentos de grandes emoções, a maior delas, o encontro com Edite, uma das  musas da atribulada mocidade de Francisco Galdino.  
Procurador federal e ex-prefeito de Caicó

POESIA DA SEMANA


Os gostos e cheiros de eu pequeno
Gilberto Costa

Guardo o travo na minha língua
De todo os gostos de eu pequeno.
O gosto das doces tamarindas
Umedecidas pelo sereno da chuva!
O gosto dos imbus... Canapus...
O gosto das cajaranas... Bananas
Amadurecidas sem veneno!
O gosto dos juás... Trapiás...
Das tamboeiras de melancia
Cultivadas no roçado da muriçoca!

Trago na boca o sal da paçoca
De carne-de-sol assada,
Misturada com cebola e farinha!
O gosto salgado dos preás...
O gosto dos tamanduás...
O gosto do tarrabufado de galinha!

Sinto o cheiro nas narinas
De afogueado de batatas assadas
Nas labaredas de fogos na areia!
O cheiro de escaldado... De coalhada...
O cheiro de maxixada... Fritada...
O cheiro de jerimum caboclo!
O cheiro de cuscuz com coco...
O cheiro de fuçura de porco...
O cheiro de café coado no pano;
De café torrado com rapadura!

Hoje, no supermercado,
Minha língua não sente mais travo!
Hoje, no inox, não sinto aquele gosto
Da mistura dos gostos da panela de barro!
Poeta e vice-prefeito de Caicó

Líbia pode recomeçar a produzir petróleo, ou não

O governo da Líbia, aparentemente, recuperou o controle da situação.
Ou não.
A população continua nas ruas, apoiando (e apanhando) ou protestando (e apanhando também), conforme se vê nas capas dos dois principais jornais do país.
O enviado especial do Bar de Ferreirinha a Trípoli, jornalista Muamar Melada, sumiu, desapareceu, escafedeu-se.
E pra não deixar os nossos milhares de leitores na mão - que se mostram muito preocupados com o que acontece lá - o Conselho Editorial do blogue resolveu publicar as primeiras páginas de dois jornais líbios, ainda em atividade na internet.
São o Al Shames e o Al Fajr Al Jadeed, ambos de Trípoli.
Se alguém souber traduzir... Mãos à obra!



Castigo

Pelo buraco da fechadura, o garotinho espia o pai e a mãe se divertindo na cama. 
Revoltado, comenta baixinho:
- Pô! E eles ainda me botam de castigo só por chupar o dedo...

Vendedor de maçã

Um menino estava na feira vendendo maçã. 
Já havia 2 dias que não conseguia vender nada.
Então ele teve uma idéia e disse:
- Olha a maçã com cheirinho de buceta!
Ai juntou aquele monte de homem:
- Quanto é?
- 10 reais!
Um dos homens comprou.
Logo na primeira mordida, o homem se revoltou:
- Isto aqui esta com cheiro é de cu!
- Vai virando. Vai virando...

A gosma

Três freiras, que moravam juntas no mesmo predio, estão descendo o elevador quando veem uma gosma esbranquicada sobre o tapete.
Uma delas enfia o dedo na gosma e leva-o a boca: 
- Como eu tinha imaginado, é esperma!
Curiosa, a outra freira, repete o gesto:
- E já esta aqui há mais de 2 horas!
Em seguida a terceira, com ares de entendida, conclui:
- E não é de ninguém aqui do predio!

Sem destino

A rua estava coberta de flores cor de rosa. 
Ele teria achado muito bonito, se não fosse o estado de espírito que o acompanhava. 
Com a desculpa de comprar cigarros, ele saiu. 
Saiu sem saber extamente para onde ia.
 O céu estava começando a ficar acinzentado. 
Mas o clima ainda estava agradável. 
Então estava tudo bem. 
Ele realmente odiava os domingos. 
As pessoas nas calçadas conversando, rindo e jogando na cara que eles possuiam uma vida normal e ele ali, sozinho como sempre. 
Meio cá, meio lá, sem saber para onde ir. 
Sentiu uma gota no seu braço direito. 
E outra. E mais outra e quando menos esperou, as gotas caíam sobre todas as partes visíveis de seu corpo. 
Ao contrário das outras pessoas que estavam nas calçadas e correram para dentro de suas casas, ele continuou ali na chuva. 
As flores no chão agora estavam sendo levadas pela água. 
E ele continuou andando na chuva, sem saber para onde ir ou o que fazer...

Nina & Liria

Primeiro poema-torpedo
Nina Rizzi

Não fosse longe, veria o homem místico.
um céu cinza de chão molhado,
pastel de vento, etílicos lábios, mãos.
assim, tudos blue.
não fosse longe, riscava o quase, era tanto.
veria dele os narcóticos narcisos
entre ametistas, quatro pernas...

Segredo
Líria Porto

O amor derrama
mancha o lençol
e o sol se acende
dentro do cofre...

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Pense num caba cagado!

Mais uma vez, um seridoense é notícia numa revista de circulação nacional.
Com o título Uma raposa no galinheiro, a revista IstoÉ do dia 23 de fevereiro traz matéria com o deputado distrital de Brasília, ex-diretor-geral do Senado, o seridoense de Jardim de Piranhas Agaciel Maia.
Mesmo com todas as acusações do período em que dirigiu o Senado, Agaciel, segundo a revista, vai administrar R$ 26 bilhões de dinheiro público.
Pense num homem cagado!
Leia, abaixo:

Uma raposa no galinheiro

Afastado do Senado sob a acusação de fazer mau uso do dinheiro público, Agaciel Maia vai administrar R$ 26 bilhões de dinheiro público, agora na Câmara Distrital de Brasília

Hugo Marques
chamada.jpg
INOCÊNCIA
Agaciel garante que foi absolvido pelo povo de Brasília
 Após 13 anos na direção-geral do Senado, responsável por um orçamento de R$ 2,7 bilhões, Agaciel da Silva Maia foi afastado do cargo em março de 2009, acusado de usar dinheiro público para fins privados. Ele, por exemplo, não declarou uma mansão de R$ 5 milhões, além de estar envolvido no escândalo dos atos secretos. Com oito processos em andamento na Justiça Federal, escapou da lei dos fichas-sujas e conseguiu se eleger deputado distrital pelo PTC em Brasília, com 14 mil votos. Agora volta a ter acesso ao dinheiro público. Na semana passada, Agaciel conquistou a presidência da Comissão de Economia, Orçamento e Finanças da Câmara Legislativa e será o responsável por gerir R$ 26,6 bilhões, dez vezes mais o que ele movimentava no Senado. Paraibano de Brejo da Cruz, ele vai ocupar o novo cargo graças a uma divisão da base do governo do petista Agnelo Queiroz. “Fui absolvido pelo povo de Brasília”, comemorou Agaciel. “Carrego o carimbo de pivô do escândalo do Senado.”
A comissão dirigida por Agaciel é a mais forte da Câmara e tem poder para inviabilizar alguns projetos do governo do DF. Além do aval para liberar verbas do orçamento, ele será encarregado de aprovar empréstimos bancários milionários, analisar o reajuste salarial no serviço público, a principal máquina de fazer votos em Brasília, e ainda sabatinar todos os presidentes de estatais locais. Para turbinar seu poder na Câmara, Agaciel articulou o “Grupo dos 14”, unificando a oposição com os deputados descontentes da base que não foram agraciados com cargos no governo e que usam o mandato como base de barganha. “A dificuldade do governo Agnelo em articular sua base na Câmara permitiu que Agaciel comandasse a comissão”, diz o distrital Cristiano Araújo (PTB), que apoiou a escolha.
Não foi apenas a divisão da base que levou Agaciel a controlar as finanças da capital. Ele fez uma articulação com parlamentares que estavam na fila da guilhotina da Comissão de Ética, como os distritais Benício Tavares (PMDB), Benedito Domingos (PP) e Roney Nemer (PMDB), investigados por envolvimento no escândalo do Mensalão do DEM. Com isso, Agaciel ajudou a blindar a turma de currículo sujo que era alvo da onda moralizadora. Também blindado pelo Grupo dos 14, Agaciel volta a pôr a mão em dinheiro público. E ninguém em Brasília entende mais disso do que Agaciel. Na campanha, não faltaram recursos. Ele foi o campeão de distribuição de material de propaganda, inundando a cidade com placas e cartazes. Apesar dos gastos com a eleição e com advogados que o defendem na Justiça, Agaciel exibe R$ 2,6 milhões em quatro contas bancárias, conforme declaração de bens que entregou ao TSE. Mas a mansão que provocou sua derrocada no Senado continua desaparecida de sua declaração de renda entregue à Justiça Eleitoral.
img.jpg 

Neurótico de guerra inventa novo quebra-mola

Morador da pacata cidade de Santa Cruz do Inharé, a 115 quilômetros de Natal, o veterano de guerra alemão Helmut Lado experimenta um novo tipo de quebra-molas para instalar na principal via que atravessa cidade.
Tudo porque os quebra-molas tradicionais não resolveram o problema terrível do trânsito em Santa Cruz, agravados com a peregrinação à imagem de Santa Rita.
Clique e veja como funciona a engenhoca: