terça-feira, 31 de agosto de 2010

Fuleiragem Eleitoral Gratuita

Primeira vez, primeiro voto

O candidato a deputado federal Jefferson Camillo (PP-SP), numa brincadeira com o primeiro voto dos eleitores mais jovens, criou uma situação inusitada para a sua aparição no horário eleitoral.
O vídeo que foi ao ar em São Paulo, mostra um casal de jovens num motel, pronto para os “finalmentes”. 
Eis que o rapaz pergunta à moça: 
- É sua primeira vez... Você está pronta? 
Ela responde: 
- Sim, estou. Porque eu confio no Jeferson Camillo. 
Ao fim desse extraordinário diálogo, ouve-se alguns gemidos femininos, enquanto o nome e o número do candidato aparecem.
A gemedeira pode ser traduzida marromeno assim: Vote em Jeferson Camillo que ele vai foder você!
Pense numa Fuleiragem Eleitoral Gratuita fuleira!
Aperte o play e confira:



Blitz da sogra

Essa também teve Bereca Linhares, policial rodoviário federal, como testemunha.
Ele, de plantão na Rajada, manda um sujeito parar o carro:
- Seus documentos, por favor. O senhor estava a 130 km/h e a velocidade máxima nesta estrada é 100, meu irmão.
- Não, seu guarda, eu estava a 100, com certeza.
Mas a sogra, no banco de trás, corrige: 
- Ah, João André, que é isso! Você estava a 130 ou mais! 
O sujeito olha para a sogra com o rosto fervendo.
E Bereca continua:
- E sua lanterna direita não está funcionando...
- Minha lanterna? Nem sabia disso. Deve ter pifado aqui na estrada...
A sogra insiste: 
- Ah, João André, que mentira! Você vem falando há semanas que precisa consertar a lanterna!
O sujeito está fulo e faz sinal à sogra para ficar quieta. 
- E o senhor está sem o cinto de segurança.
- Mas, seu guarda, eu estava com ele. Eu só tirei para pegar os documentos!
- Ah, João André, deixa disso! Você nunca usa o cinto!
O sujeito não se contém e grita para a sogra: 
- Cala a boca, porra!!!
Bereca se inclina e pergunta à senhora: 
- Ele sempre grita assim com a senhora?
- Não, seu guarda, só quando bebe...

Censo 2010

Piscina milagrosa

Durante uma festa de arromba, o anfitrião, já cheio de álcool, gritou para a multidão:
- Aê... Pessoal... Eu não queria dizer uma coisa pra vocês... mas é que a minha piscina é mágica!!!
A turma, pensando que era delírio do dono da casa, começou a rir.
Nisso, o cara sai correndo, dá um pulo na piscina e grita: 
- CERVEJA!!!
A água vira cerveja, o cara nada, vai bebendo e, ao sair do outro lado, a piscina volta ao normal.
Um italiano, abobado com o que estava presenciando, também sai correndo, dá aquele salto e grita: VINHO!!!
E a água se transforma em vinho... 
Um francês vai lá, dá um pulo para dentro da piscina e grita: CHAMPANHE!!!
O português, vibrando de emoção, sai correndo e, quando vai pular, sua mulher grita:
- Manoel, estás com o 'celulaire' e a 'cartaira' no bolso!!!
E o português grita: 
- PORRA!!!
E pula.

A confissão

Mocinha: 
- Padre, o João é um Filho da Puta!!!
Padre: 
- Não fale assim, minha filha. Todos nós somos irmãos.
- Mas o senhor não sabe o que ele fez...
- E o que ele fez?
- Ele me deu beijo.
- Olhe, eu também te dou um beijo e não sou Filho da Puta.
- Ele tirou minha blusa!!!
- Eu também estou tirando sua blusa e não sou Filho da Puta.
- Ele tirou meu soutien!!!
- Eu também estou tirando seu soutien e não sou Filho da Puta.
- Ele tirou minha calcinha!!!
- Eu também estou tirando sua calcinha e não sou Filho da Puta.
- Ele me comeu!!!
- Eu também estou te comendo e não sou Filho da Puta.
- Mas depois...Mas depois...
- Diga, diga, diga...
- Ele me disse que tinha AIDS...
- FILHOOOOOO DA PUTAAAAA!!!

Fiscal da natureza

As 11 horas o celular toca. Numa ação rápida penso em não atender. Por um instante puxo o aparelho para perto dos olhos e reparo num número desconhecido, ou seja, alguém estava querendo falar comigo. - Alô, é o Joquinha?
Me recomponho sentando rapidamente na rede.
- Sim, ele mesmo, quem fala?
-Você veio fazer um teste ontem conosco e gostamos muito do seu trabalho, pode começar amanhã?
Um soco no estômago me faz responder com a voz embargada.
- Não.
Mais algumas minutos de papo furado e logo desligo o telefone. Ponho-me a andar de um lado a outro no quarto escuro. Desorientado e sem estar totalmente conectado à realidade, uma lágrima vem para lavar meu rosto ainda sonolento. Percebo sem esforço que as lágrimas se multiplicam e que agora sou uma criança que chora, involuntariamente chora. Mas o choro não se declara por perdas, tristezas ou abandonos. Mas sim um choro de desabafo, de conquista, de vitória entendem?
Os pensamentos tomam rumos infinitos e agradeço a tudo que esses meus olhos já puderam ver, a tudo que esses meus braços já puderam abraçar, a tudo que esse corpo meu já soube presenciar e principalmente a tudo que esse meu coração, muitas vezes cansado de apanhar, soube perceber. Eu sinto, sinto muito.
E eu queria agradecer sempre, a tudo e todos, que na presença da amizade significativa, moldaram minha vida e construíram, mesmo que indiretamente, esse Joquinha que sou nos dias de hoje.
Não quero emprego de porra nenhuma.Serei sempre um fiscal da natureza...

Papo entre amigos

Chicão, 28 anos. Profissão: Fracassado.
Crime: Assassinato da própria consciência

Marina, 27 anos
Profissão: Psicóloga
Crime: Ser bonita e gostosa demais

Local: Quarto do Hotel Lombra.
Data: 29 de Agosto de 2010

“Chicão estava desesperado, nada em sua vida estava dando certo, sua mulher tomou um tiro enquanto pescava, sua filhinha se casou com seu primo viado e seu único amigo tinha se transformado em crente. Nada estava funcionando, ele teria dado a facada final na sua consciência em forma de sapo se Marina não tivesse interferido naquele momento…”

- Chicão, pare! Você sabe que se depilar seu pau ele irá coçar quando estiver crescendo e irá te incomodar por dias até que cresça novamente.
- Oh cara Marina, minha consciência se foi, não há mais nada que eu possa fazer.
- Claro que tem, e eu estou aqui para te ajudar a passar por isso. Agora guarde esse barbeador e me escute.
“Chicão guardou, ele não tinha mais noção sobre o certo e o errado, mas ele tinha certeza que Marina era a única que poderia ajudá-lo. Por Deus, ela era um tesão, se pelo menos ele pudesse tocar naquelas perninhas.”
- Marina, minha linda. Continua correndo desesperadamente atrás de carros em movimento?
- Claro meu amigo, se eles estivessem parados eu não precisaria correr.
“ Como essa mulher era inteligente, sempre sabia o que dizer para pessoas em apuros, deve ser por isso que ela virou psicóloga”
- Me ajude mulher, não tenho mais razão para viver, estou desmoronando em favelas de dor e solidão.
- Calma Chicão, ainda deve ter restado algo bom em sua vida, você ama arte, certo? O que acha de irmos a uma peça de teatro? Você já foi em alguma?
- Nunca, você sabe que não tenho cultura alguma. O mais próximo disso que já tive foi quando me masturbei pensando na escritora da saga crepúsculo, e brochei assim que meu pau começou a brilhar.
- Mas, mas… deve ter algo que você queira fazer ainda, algum sonho.
- Eu sou um fracassado, não tenho emprego e nem mesmo fui aceito para trabalhar em uma pastelaria. Porra, pra fazer isso só precisa saber cuspir!
- Às vezes pequenos prazeres são o suficiente para nos fazer amar a vida.
- Às vezes pequenos prazeres são o suficiente para criar uma vida.
“Nesse momento pensei na minha Maria, minha filha que casou com meu primo viado. Me lembrei do meu primeiro dia com ela, aqueles bracinhos, aquela buchecha rosada, aquela boca grande que conseguiu vomitar na minha camiseta nova escrita ‘ SOU UM FRACASSADO FELIZ, O MOTIVO ESTÁ NAS MINHAS CALÇAS’, minha filha… meu tudo. Como será que é o sexo com um viado? Será que ele fica em posição fetal balançando o corpo enquanto meu anjo tenta se encaixar nele? Acho que nunca saberei isso.”
- Esqueça Marina, você não pode me ajudar, eu irei pular desse prédio e cairei em cima daquela barraca de cachorro quente, morte entre as salsichas
- NÃO
Era tarde demais, Chicão caiu e por um segundo sentiu a felicidade que ele tanto procurou na vida, mas era tarde demais, lá, caído e torto com uma panela fervendo de salsichas da sadia nos seus braços, era tarde demais…
Marina fracassou em curar o fracasso de seu amigo, ela nunca mais poderia ajudar ninguém, e o pior de tudo, ela nunca mais poderia comer cachorro quente na vida, e como ela amava isso, aquele pão macio entre seus dentes e o gosto inconfundível da maionese natural, nunca mais.

Ceguinho é aprovado em teste para bandeirinha

Um homem completamente cego foi aprovado nos rigorosos testes da comissão de arbitragem da Federação Piauiense de Futebol e estaria apto a participar da arbitragem de qualquer jogo da série B ou C do Campeonato Brasileiro a partir de 2011. Joventino Limeira, deficiente visual há 11 anos, ficou sabendo do teste em Fortaleza através de um amigo, também visualmente incapacitado. Porém, ambos pensaram se tratar de algo específico para deficientes e prestaram os testes normalmente. Gumercino Luis de Araujo Gomes, amigo de Joventino, foi excluído logo na entrevista, quando o diretor do conselho de arbitragem percebeu que ele era incapaz de participar de uma partida, por ser cego. O mesmo não aconteceu com Joventino, que fez os testes normalmente e ficou na frente de outros 69 candidatos, de aproximadamente 220 que realizaram os testes para auxiliar de arbitragem (também conhecido como “bandeirinha”). Pela sua posição nas avaliações físicas e técnicas, ele ficou rankeado na categoria Prata e poderia participar da arbitragem de qualquer jogo da serie B e C.
O ceguinho que foi aprovado poderá manter a qualidade da arbitragem nos jogos da B e C  2011.
Joventino Limeira tem 32 anos e é formado em Educação Física há 10. Ele ficou cego aos 21 anos num acidente caseiro. Mesmo assim, fez faculdade e pós-graduação e exerce a profissão dando cursos de esportes para deficientes visuais no interior do Ceará.

Aquecimento Global pode causar diarréia nas galinhas de Laginhas

Cientista caicoense concluiu recentemente um estudo cujos resultados prometem surpreender biólogos de todo o mundo. A pesquisa, que tem sido realizada nos últimos 3 anos em diversos lugares do mundo, mostra que o aquecimento global pode causar diarreia nas galinhas de Laginhas importante distrito de Caicó.

Os estudos, que se aprofundaram nos hábitos alimentares do animal, compararam amostras de diversos tipos de fezes colhidos sob diferentes circunstâncias. Nos dias quentes, a tendência é que as fezes se liquefaçam mais do que nos dias mais frios.
Mas o que mais chocou o pesquisador José Almino Filho(Mutu) foi o fato de que, quando as fezes saem liquefeitas, aumenta a flatulência dos animais, fazendo com que os mesmos soltem mais gás metano na atmosfera. O gás metano destrói as partículas da camada de ozônio, causando efeito estufa e aumentando o aquecimento global, criando um ciclo permanente de aumento da temperatura.

Campanha contra velocidade no transito em Timbauba dos Batistas

"Só para você ter uma idéia de como o ego masculino pode ser frágil, bastou uma campanha de trânsito na cidade de Timbauba dos Batistas fazer uma piada, afirmando que quem abusa da velocidade tem pau  pequeno, para ocorrer uma significativa diminuição no números de “pilotos”. E bota diminuição, nisso, porque nada menos que 60% dos homens confessaram que depois da campanha passaram a tirar o pé do acelerador.

Lógico, quem quer ser apontado na rua como um cara que tem um carrão que voa , mas o passarinho é tão pequenininho que mal saiu do ninho!?
Tudo isso graças a “No one thinks big of you” (ninguém acha que você é grande coisa), uma campanha bem simples. Nela, quando o carinha passa voando com seu carrão, em vez das mulheres ficarem com cara de tesão (como as porcarias de campanhas publicitárias para vender carro no Rio de Janeiro), elas mostram o dedo mindinho e ridicularizam: “Este aí tem pau pequeno”
Pronto, bastou isso para virar moda e se espalhar por toda Timbauba! Agora, em vez de xingar e lamentar pela natureza ter concebido uma besta no volante, basta o cara ver o bendito dedinho balançando, para perder o rebolado! E o lance está tão interessante, que tem cara tomando o máximo de cuidado na hora de arrancar para não cantar pneu:
“Eu não tenho pau pequeno, minha senhora…Foi o acelerador que ficou preso!!”

O Padre e o Rabino

Num banquete, botaram um padre sentado ao lado de um rabino. O padre, querendo gozar o rabino, enche o prato com pedaços de um suculento leitão e depois oferece para o ‘colega’.
O rabino recusa, dizendo:
- Muito obrigado, mas…não sabe que a minha religião não permite a carne de porco?
- Noooossa! Que religião esquisita! Comer leitão é uma delííícia! - Comenta o padre com ironia.
Na hora da despedida, o rabino chega e diz para o padre:
- Mande minhas recomendações a sua mulher! E o padre, horrorizado:
- Minha mulher? Não sabe que a minha religião não permite casamento de sacerdotes?
- Noooossa! Que religião esquisita! Comer mulher é uma delííícia, mas se você prefere leitão…

Atropelo

Nina Rizzi...

Teresa tem uns olhos que ai meu deus
olhos de mulata que se fecham à hora do amor
moles tigres rapariga
se teresa me desse adeus com os olhos lhe comia as pernas
mas se me olha assim teresa de jesus de tanta tua água
em minha língua me faço um deus-menino

Oferta do dia de Putas Resolutas...

Post póstumo

Via "De Bruçus pru Cocô"...

Olá, beleza? Aqui quem vos comunica é Rogério Assface, sou avô do João, que costumava escrever para o blog. Eu ainda não sei mexer direito nesse site, meu neto me ensinou apenas há alguns dias. Deixando isso de lado, vim aqui porque meu neto pediu que eu colocasse no site esse texto. Ele escreveu a história em um arquivo no computador, e após me pedir para colocar isso no site, saiu correndo de casa. Ele estava chorando, e disse que não sabia se iria voltar. Não pude deixar de notar que ele tinha vários curativos no rosto, mas não tive tempo de questionar sobre isso. Depois de ler a história, me pergunto sobre sua sanidade. Mas enfim, aí vai o texto dele:


A LIGAÇÃO TELEFÔNICA DO TERROR
De olhos arregalados, Alessandra largou o fone de volta no gancho. A ligação fora chocante. E inesperada. E terrível. E do mal. Voltou para o quarto. Ela estivera vendo tv e se masturbando, como sempre fazia em sábados à noite. Já passava de uma da manhã, e a programação do Multishow sempre era mais interessante na madrugada. Deitou-se na cama, pensando no que fazer em seguida. Desligou a tv, e passou um tempo encarando o teto, no escuro. Era uma quente noite de verão, e ela usava apenas uma camisola fina, e uma confortável calcinha de seda.
Antes que eu me empolgue na descrição da pouca roupa da protagonista, voltemos aos fatos.
Após um tempo deitada, levantou-se e foi, lentamente, até a cozinha. Bebeu leite, soltou um sonoro arroto, e então decidiu o que teria de fazer. Sim, seria um ato difícil, mas era o único jeito. Ela foi ao banheiro, pegou um rolo de papel higiênico, e uma lâmina de gilete. De volta ao quarto, defecou sobre a cama e usou os dejetos para escrever, na parede acima da cama, sua última mensagem. A lâmina foi usada para refinar bem as bordas das letras. Após isso, enforcou-se com um cinto, pendurado no ventilador de teto.
Após tudo isso, você pode estar se perguntando o que Alessandra ouvira pelo telefone. E COMO EU VOU SABER, CARA, ELA MORREU, mas a bizarra mensagem que ela escreveu com suas fezes perturba meus sonhos até hoje. Era:
SE ACHou LEgAL, SE INSCReVe aí Em CIMa,
DiGA alI emBAIXo SE GOStOu ou NÃO GoSToU,
E DEIXe SEu COMentáRiO
TÉ mAIs...

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Censo 2010

Bastidores da Festa de Sant’Ana


Esta quem conta é Dedé Rangel Cosmim, irmão de Cisso Doido, do Desembargador Batista e do Beato Eugênio. 
Foi há um mês, em plena Festa de Sant'Ana:
"Hospedado na Pousada Acantoar, Hermininho - filho de Hermínio, antigo comerciante de Caicó - encontrou Salatiel Costa, o Saladinha, que também estava hospedado lá.
Conversa vai, conversa vem, Hermininho diz a Saladinha que seu irmão Zezé, há mais de 30 anos morando em Brasília, também estava em Caicó e queria revê-lo pra matar as saudades, botar a conversa em dia, confraternizar, e tal.
Apenas preveniu Saladinha que Zezé estava quase mouco, e recomendou que quando os dois se encontrassem Saladinha falasse bem alto para ser entendido. 
Ato contínuo, foi ao apartamento onde estava Zezé, falou do encontro com Saladinha e disse que ele queria reencontrá-lo no café da manhã do dia seguinte. 
E comentou que Saladinha continuava muito jovial, sem nenhum cabelo branco.
O único inconveniente da idade é que ele estava acometido de um mal que o tornara quase que completamente surdo.
- É bom você conversar com ele em voz alta pra se fazer entender.
Pêi buf! 
Com a presepada armada, foi só esperar ansiosamente o dia seguinte.
E todo mundo na pousada acordou às 5 da manhã com o berreiro, a latumia, o alarido e a gritaria dos dois amigos a conversar descontraidamente, relembrando os causos da infância e dos tempos idos. 
Enquanto isso, Hermininho bolava de rir com as irmãs a caminho da Igreja de Sant’Ana."

Árabes e judeus fazem negócios

O árabe vai à loja do judeu para comprar sutiãs pretos.
O judeu, pressentindo bons negócios, diz que eles são raros e poucos e vende cada um por 40 euros.
O árabe compra 6, e volta alguns dias depois querendo mais duas dúzias.
O judeu diz que as peças vão ficando cada vez mais raras e vende por 50 euros a unidade.
Um mês mais tarde, o árabe compra o que resta por 75 euros cada.
O judeu, encucado, lhe pergunta o que faz com tantos sutiãs pretos.
Diz o árabe:
- Corto o sutiã em dois, faço dois chapeuzinhos e vendo para os judeus por 100 euros cada.

Virgindade Moderna

Primeira noite dos recém-casados. 
Na cama, a moça diz ao rapaz: 
- Sabe, amor, eu não disse a você, mas eu não sei fazer nada de nada! 
- Não se preocupe minha linda! Você tira a roupa, deita sobre a cama e deixa que eu faço o resto! 
E ela, muito meigamente, explica: 
- Não, amor! Trepar, eu trepo bem pra cacete, desde 12 anos. O que eu não sei é lavar, passar, cozinhar, arrumar a casa...

Chupo até o caroço

Uma velhinha passa em frente a um posto de saúde e vê uma enorme fila para distribuição de camisinhas. Curiosa ela pergunta ao rapaz que está em último na fila:
- Mocinho, com licença! Prá quê que é essa enorme fila?
O carinha, sacana que só vendo, diz pra vovózinha:
- Ah! Tão distribuindo manga.
E a velhinha toda feliz:
- Oba! Eu adoro manga!
O pilantra do sujeito sai fora da fila e fica observando a velha.
Quando chega a vez dela de ser atendida o balconista do posto, surpreso, pergunta?
- Oh! Aí vovó, a senhora ainda trepa?
A velhinha com medo de subir no pé de manga responde:
- Trepar eu não trepo não. Mas se botar na minha mão eu chupo até o caroço.

Definições de casamento

1 - As pessoas se casam por uma série de outras razões e com resultados variáveis. Mas se casar por amor é atrair uma inevitável tragédia.
2 - Se você tem medo da solidão, não se case.
3 - O problema do casamento é que, enquanto toda mulher é no íntimo uma mãe, todo homem é um pilantra.
4 - Maridos e esposas não entendem um ao outro porque são de sexos diferentes.
5 - As correntes do casamento são tão pesadas que são necessárias duas pessoas para carregá-las.
6 - Não importa com quem você se case, sempre acorda casado com outra pessoa.
7 - O casamento é como uma longa viagem em um pequeno barco a remo: se um passageiro começar a balançar o barco, o outro terá que estabilizá-lo; caso contrário, os dois afundarão juntos.
8 - O casamento é a unica prisão perpétua que pode ser cancelada por mau-comportamento.

Novo dicionário do sexo

ACROTOMOFILIA – Atração sexual por mutilados, por exemplo aqueles da guerra do Vietnã.
AMALGATOFILIA – Fetiche por estátuas, manequins, ou bonecas infláveis.
AURÉOLA – Lamber o ânus da(o) parceira(o), também conhecida como analingus.
AXILISMO – Uso das axilas no ato sexual; também conhecido como “Gaita de Fole” ou “Vendaval”.
COLAR DE PÉROLAS – Ejacular nos seios da parceira.
COREOFILIA – Ficar excitado durante o ato de dançar.
EMETOFILIA – Vomitar ou ser vomitado pelo parceiro.
JACTITAÇÃO – Excitação em contar a terceiros, em voz alta, suas peripécias sexuais.
LACRIFILIA – Excitação em ver o(a) parceiro(a) chorar.
LACTOFILIA – Tesão em ver uma grávida ou lactante verter leite dos seios.
MISOFILIA – Tesão por roupas de baixo manchadas de esperma ou fluidos menstruais.
NASOFILIA – Excitação em ver, tocar, lamber ou chupar o nariz do parceiro.
NASOLINGUS – Nasofilia ao extremo, com duas versões: a narina é penetrada pelo pênis, ou a napa é usada como substituto do membro.
NECROFILIA – Sexo com cadáveres.
PSICROFILIA – Transar em locais frios.

Balada de afogado

Líria Porto

Omar me quer

e sua língua
lânguida morna
lambe-me os pés
omar me pede
não se contenta
toca-me as pernas
alcança o ventre
omar se atreve
roça-me o peito
suga-me a boca
o pensamento
amar oh mar
a morte l e n t a...

Oferta do dia de Putas Resolutas

Já abriram os olhinhos

VERSÃO PRÓ SERRA
Joãozinho chega cedo ao colégio e diz à professora: 
- Tia, lá em casa nasceram oito cachorrinhos e todos vão votar no Serra.
- É mesmo? – Diz a professora tucana toda feliz.
Uns quatro ou cinco dias após, o Joãozinho novamente chega à professora e diz:
- Tia, lá em casa nasceram oito cachorrinhos e quatro vão votar no Serra.
Então a professora, intrigada, pergunta:
- Ué? Não eram oito cãezinhos?
- Eram, mas quatro já abriram os olhinhos... 
VERSÃO PRÓ DILMA

Joãozinho chega cedo ao colégio e diz à professora:
- Tia lá em casa nasceram oito cachorrinhos e todos vão votar na Dilma.
- É mesmo - Diz a professora petista toda feliz...!!!
Uns quatro ou cinco dias após, o Joãozinho novamente diz à professora:
- Tia lá em casa nasceram oito cachorrinhos e cinco vão votar na Dilma.
Então a professora intrigada pergunta:
 - Ué? Não eram oito cãezinhos???
- Eram, mas três já abriram os olhinhos!!!

Problema

- Mamãe, estou com um problema terrível! - diz a loura pelo telefone, desesperada. 
- O que foi, minha filha? 
- Ai, mãe, está chovendo, meu carro quebrou, as crianças estão gripadas, peguei um resfriado, estou sem comida, a casa está uma bagunça, e, o pior, tenho um jantar em casa hoje à noite para 20 pessoas. Ai, mãe, o que é que eu faço?
- Não se preocupe, filhinha, a mamãe dá um jeito. Eu pego o ônibus até aí e, no caminho do ponto até sua casa, aproveito para comprar comida. Ponho as crianças na cama, limpo a casa e preparo um jantar legal para seus amigos. Não se preocupe, vai dar tudo certo!
- Ai, mãe, muito obrigada! - diz a moça aos prantos - E o pai, como vai ele?
- O pai? Que pai? Seu pai morreu há dois anos.
- Ué? Mas aí não é o 2271-9461?
- Não! Aqui é o 2271-9471.
A loura grita, desesperada: 
- Aaaiii, mãe! Quer dizer então que você não vem?

Politico pilantra

Um político, daqueles bem picaretas e caras de pau, sobe no palanque e começa o discurso: 
- Meus cidadão! Se eu fô eleito, vô construí as escola!
Os eleitores ficam em silêncio, constrangidos com o mau português do candidato.
- Eu tombém vô construí as egreja, as creche...
O silêncio fica ainda mais constrangedor.
Nessa hora, um assessor não aguenta mais, chama o candidato e sussurra no seu ouvido:
- Chefe... Emprega o plural que você ganha mais votos!
O político se empolga e continua:
- Eu vô empregá o plurá, a mãe do plurá, o pai do plurá, toda a famía do plurá, porque eis merece!
Via "Blog de um Dylaniano"

domingo, 29 de agosto de 2010

Fotógrafo, orador e instrumentista

29 de agosto de 2010
Fotógrafo, orador e instrumentista


Logo que comecei a ajudar meu pai na bodega em 1947, aos 12 anos de idade, passei a admirar aquele homem moreno, calmo, de fala mansa e arrastada, que sempre vinha comprar cola, linha, agulhas, bloco de papel de carta, envelopes e outras miudezas.  Era o fotógrafo a quem minha mãe todos os anos nos levava para as fotos da família.  José Ezelino da Costa, um autêntico gentleman, sempre bem humorado, era muito atencioso fosse quem fosse que com ele tratasse. Chamava-me Chiquinho e certa vez me perguntou se ainda tínhamos a primeira foto que eu, criancinha de berço, levado por minha mãe, havia tirado no estúdio dele.  Jamais poderia imaginar que 75 anos depois a mesma foto, ainda em perfeito estado, continuaria circulando no mundo todo nas quase que infinitas dimensões do fantástico espaço cibernético!
Ao contrário do que alguns autores novos têm escrito, ou insinuam, Zé Ezelino, queridíssimo por todos os seus conterrâneos, jamais enfrentou na sua terra qualquer problema de discriminação por conta da cor da pele ou por qualquer outro motivo.
Grande artista, reconhecido como homem de superior índole, caráter e inteligência, era por todos admirado e aplaudido.  Caprichoso no trabalho, nunca ninguém encontrou motivos para botar defeito numa fotografia sua.  Não foi um mero mercenário e sim um amante da arte que exercia
Anualmente viajava de férias para Recife ou para o Rio de Janeiro, de onde trazia as últimas novidades para o seu ateliê fotográfico.  Não conheci ninguém em Caicó dessa época, que tirasse férias anualmente e viajasse para a Capital da República ou quando menos para uma cidade do porte de Recife.  Nesse particular, José Ezelino era um bem-afortunado profissional autônomo, podia viver à fidalga, numa cidade de pouquíssimas oportunidades de trabalho.
Nunca lhe faltava trabalho.  Disso sou testemunha ocular, pois o seu ateliê ficava quase em frente à bodega de meu pai no Mercado Público.  A maioria de sua clientela no estúdio era composta de pessoas de classe média acima. Os cenários que preparava para as fotos ainda hoje são elogiados pelos especialistas.  Controlava com perfeição a questão da luminosidade no ambiente. No seu tempo Caicó não dispunha de energia elétrica com regularidade, nem os equipamentos utilizados pelos fotógrafos ajudavam muito nesse sentido.  Uma cortina no teto envidraçado da sala de tomada de fotos ajustava a luminosidade do ambiente!
É verdade que nesse tempo eu não entendia nada de fotografia, mas a pessoa humana e decente de Zé Ezelino me ficou na memória não só por esse lado de sua vocação artística, mas, talvez acima de tudo, por conta dos seus ensaios musicais no próprio estúdio onde trabalhava como fotógrafo.
Quase que diariamente eu ficava ouvindo, acho que clarinete, Zé Ezelino ensaiar por horas e horas as músicas do seu repertório. Soava linda aquela musicalidade isolada em plena tarde quente da Caicó silenciosa, como se estivesse a escutar o seu fotógrafo maior a devanear para suas musas.
Como, neste espaço, não posso registrar musicalmente a lembrança dos sons que em mim viraram saudade, limito-me à fotografia que enviei para o blog.  Mas, para homenagear também o músico Zé Ezelino,  nada me impede de colocá-los em pé de igualdade, a três, entre outros,  dos grandes instrumentalistas brasileiros que admiro.  Zé Ezelino representa para mim e, não duvido, para todos nós do seu tempo em Caicó, o que Abel Ferreira, Paulo Moura e Severino Araújo representam para o Brasil.
Outro grande artista caicoense da mesma época de José Ezelino da Costa foi o padre Aderbal Leitão Vilar, grande violinista e grande orador, meu professor de canto orfeônico e matemática no Ginásio Diocesano Seridoense.
Como Zé Ezelino, era quase meu vizinho, não na Praça do Mercado, mas na Praça da Liberdade, onde morávamos.  Foi o Pároco da Igreja de Sant'Ana de 1946 a 1950.
Como era delicioso ouvi-lo tocar Danúbio Azul, Velho Realejo, Tardes de Lindóia, Saudade de Matão, Ave Maria e dezenas de outras preciosidades clássicas e populares que interpretava ao violino com a alma e o coração. Tal como Zé Ezelino, o padre Aderbal Vilar era um grande músico, que ficou para sempre gravado na emoção de quem, de longe, o ouviu tocar belas valsas nas noites em que a lua iluminava a Praça da Liberdade. De longe sim, porque apenas ouvíamos a música que vinha do quarto dele, na casa da família, ao nascente da pracinha.
Tudo isso era muito simples e muito romântico.  Música ao pino do meio-dia alegrando o mercado. E nas noites de luar, música iluminando a pracinha!
Mas, até hoje, em Caicó, ninguém superou o padre Aderbal Vilar na oratória. E ninguém antes dele foi tão eloqüente e culto.  Dominava os auditórios com segura mestria e pleno conhecimento de todas as técnicas da arte de falar em público.  Parecia até que as multidões que superlotavam a igreja estavam ali não para rezar, mas para ouvi-lo falar.
Seus sermões, homilias ou qualquer pregação sua repercutiam no público ouvinte como hoje em dia os fantásticos e mais bem montados  shows artísticos da televisão. As pregações das novenas no mês de maio comoviam profundamente. Confesso que não perdia nenhuma, só para ouvi-lo falar. Assim, assimilei um pouquinho da arte em que ele era insuperável.
Depois que, ainda por ele motivado, tentei compreender melhor essa nobre arte em que Cícero e César foram craques imbatíveis na antiga Roma, posso afirmar, com orgulho do elevado padrão educacional caicoense daquele tempo, que Aderbal Leitão Vilar, sem tirar nem pôr, foi, na oratória, o padre Antônio Vieira de Caicó. E na música, outro grande artista, romântico como José Ezelino da Costa.
Procurador federal e ex-prefeito de Caicó

POEMA

ex_pião
líria porto

se teu amigo é um doce
cuidado - fica ex///////perto 
ele é um agente da cica
:
para obter a receita
ele te usa

Advogado Dusbão

Numa pequena cidade do Seridó havia um homem cujo apelido era Cabeção. 
Nascera com uma cabeça grande, dessas cuja boina dá pra botar dentro, fácil, fácil, uma dúzia de Laranjas, quatro pacotes de macarrão, dois quilos de arroz, um de açúcar e uma rabada de boi. 
Era um cabeça de moldar orelhão.
Mas fora isso, Cabeção era um cara pacato, bonachão e paciente. 
Não gostava, é claro, de ser chamado de Cabeção, mas desde os tempos do grupo escolar, tinha um chato que não perdoava. 
Onde quer  que o encontrasse, lhe dava um tapa na cabeça e perguntava: 
- Tudo bom, Cabeção? 
Cabeção, já com seus 40 e poucos anos, e o cara sempre zombando dele. 
Um dia, depois do milésimo tapão na sua cabeça, Cabeção meteu a faca no zombeteiro, arriou o fato dele e matou o caba na hora. 
A família da vítima era rica, e a de Cabeção pobre. 
Não houve jeito de encontrar um advogado para defendê-lo, pois o crime tinha muitas testemunhas. 
Depois de apelarem para advogados de Caicõ, Natal e Campina Grande, sem sucesso, os familiares resolveram procurar um tal de Zé Caneado, advogado que há muito tempo deixara a profissão, pois, como o próprio apelido indicava, vivia de porre. 
Pois não é que Dr. Zé Caneado aceitou o caso? 
Passou a semana  anterior ao julgamento sem botar uma gota de cachaça na boca! 
Na hora de defender Cabeção, ele começou a sua peroração assim: 
- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri. 
Quando todo mundo pensou que ele ia continuar a defesa, ele repetiu: 
- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri. 
Repetiu a frase mais uma vez e foi advertido pelo juiz: 
- Peço ao advogado que, por favor, inicie a defesa. 
Zé Caneado, porém, fingiu que não ouviu e: 
- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri. 
 E o promotor: 
- A defesa está tentando ridicularizar esta corte! 
O juiz: 
- Advirto ao advogado de defesa que se não apresentar imediatamente  os seus argumentos... 
Foi cortado por Zé Caneado, que repetiu: 
- Meritíssimo juiz, honrado promotor, dignos membros do júri. 
O juiz não agüentou: 
- Seu moleque safado, seu bêbado irresponsável! Está pensando que a justiça é motivo de zombaria? Ponha-se daqui para fora antes que eu mande prendê-lo. 
Foi então que o Zé Caneado disse: 
- Senhoras e senhores jurados, esta Corte chegou ao ponto em que eu queria chegar.Vejam que, se apenas por repetir algumas vezes que o juiz é meritíssimo, que o promotor é honrado e que os membros do júri são dignos, todos perdem a paciência, consideram-se ofendidos e o meritíssimo me ameaça de prisão. Pensem na situação deste pobre homem, que durante 40 anos, todos os dias da sua vida, foi chamado de Cabeção, só porque nasceu cum uma cabeça avantajada! 
Cabeção foi absolvido e Dr. Zé Caneado voltou a tomar suas cachaças em paz. 

Amadurece e cai

Um sujeito casado volta de uma viagem de negócios na China, onde ele aproveitou para farrear com algumas garotas de programa.
Dias depois da volta, seu pênis ficou todo verde.
Parecia sorvete de abacate: verde e flácido.
Ele esconde isso da mulher do jeito que pode, e vai consultar um médico.
O médico olha o órgão do sujeito e sentencia:
- Ahaa...! Você foi para a China! não?
- É verdade.
- E transou com umas garotas de programa!
- É verdade!
- Infelizmente isso não tem cura. Vamos ter que cortar.
O infeliz não acredita no que ouve, e vai consultar outro médico, mas o diagnóstico é o mesmo.
Em desespero, procura urologistas, especialistas, catedráticos, e todos, sem exceção, confirmam o diagnóstico.
Arrasado e sem saída, decide confessar suas escapadas à mulher que, depois de armar um tremendo 'barraco', se compadece do marido, e o aconselha a procurar um médico chinês, um especialista em urologia na própria China.
Afinal eles devem estar acostumados com esta doença.
O sujeito volta à China, paga uma nota alta de passagem, e marca uma consulta com o médico mais renomado do país.
Ao examiná-lo, ele dá uma risadinha:
- Hehehehe! O senhor esteve aqui na China lecentemente...non?
- É verdade.
- E o senhor fez umas bobagens com as galotas...non?
- É verdade.
- E o senhor foi ver médico blasileilo....non?
- É verdade.
- E médico blasileilo lhe disse que telia que cortar...non?
- É verdade.
- Médico blasileilo não sabe nada! Não plecisa cortar.
O cara nem acredita: quase desmaia de tanta emoção, sai pulando pelo consultório, abraça e beija o médico: seu pesadelo acabou!
- Então, existe tratamento para isso?
- No, no, não plecisa cortar. O pau cai sozinho!

Evolução da medicina

 O homem e a mulher estavam na cama do motel.
Já haviam travado a esperada luta e conversavam, entre um trago e outro nos seus respectivos cigarros:
Ele - Esses seus peitos... Incrível como podem estar tão firmes, sendo que você já deve estar beirando os trinta.
Ela - Quarenta! 200 ml de silicone de cada lado.
Ele - Viva a medicina!
Ela - Gostei deste seu sorriso... É o seu charme.
Ele - 32 dentes implantados. Mais de 16 horas na cadeira do dentista.
Ela - Viva a odontologia!
Ele - Gostei dos seus cabelos. São naturais, não é mesmo?
Ela - Aplique. Estavam curtinhos. Não quis esperar crescerem. Mas os seus são...
Ele - Interlace. Nem dá para perceber. Posso até nadar com eles.
Ela - Há mais de duas horas nós estamos transando e você ainda não baixou o mastro. Como consegue? Viagra?
Ele - Prótese. Depois que acaba é só dobrar.
Ela - (perturbada) Pensei que fosse pura excitação... esse clima... o calor...
Ele - Mas fiquei excitado, juro... Também, com esse seu bumbum...
Ela - Silicone... Nas batatas da perna também tem um pouco.
Ele - Onde mais você já mexeu?
Ela - Pálpebras, maçãs do rosto, queixo, pescoço, lipo na barriga, culotes, cintura, botox, lifting... e também fiz a "preciosa"...
Ele - Você quer dizer... o "vulcão"...
Ela - Exatamente!
Ele - O que você fez? Períneo?
Ela - Não, mudança de sexo. O meu nome é Valdemar.
Texto atribuído a Luiz Fernando Veríssimo

Vida

Quenguinha


A vida é um mar de mentiras que afogam nossos ideais a todo instante e nos prende em sua cápsula do sofrimento e desilusão a todo momento, nos fazendo assim, pessoas mais felizes, já que verdades podem machucar, e as mentiras podem amenizar nosso sofrimento.Me ignorem, essas drogas pesadas não tão fazendo bem para meu organismo. Tenho que parar com essa coisa logo. Fiquem longe das drogas crianças, não cheirem a calcinha de sua avó, não inale seu próprio peido e nunca, nunca mesmo fique querendo gozar pra cima, virar de costas e tentar fazer seu sêmen cair na sua nuca. É bom, mas vicia. Verdades verdadeiras sobre a vida humana das pessoas, humanas.
- Quanto mais você se masturba menos mulher você pega;
- Quanto mais você bebe mais mulheres você pega;
- Quanto mais mulheres você pegar, maior é a chance de você transar;
- Quanto mais você transar, menos punheta você bate;
- Quanto menos punhetas você bater, maior é a sua chance de ter uma vida social;
- Quanto mais vida social você tiver, mais feliz você irá ficar;
- Quanto mais feliz você ficar, menos pessoas irão te achar um  inutil e sem graça;
- Quanto menos pessoas te achar um inutil e sem graça, mais amigos você irá fazer;
- Quanto mais amigos você fizer, mais divertido será sua masturbação coletiva;
- Quanto mais você insistir para seus amigos fazerem uma masturbação coletiva, mais estranho você irá parecer
- Quanto mais estranho você parecer, menos mulheres irão querer te dar;
- Quanto menos mulheres te darem, mais punheta você irá bater;
- Quanto mais punhetas você bater, mais irá beber para voltar a ter a vida que tinha antes;
- Quanto mais você beber, maior é a chance de você cagar;
- Quanto maior a chance de você cagar, mais eu ficarei feliz;
- Quanto mais feliz eu ficar, mais eu irei te amar;
- Quanto mais eu te amar, mais fudido você irá ficar porque sou chata pra caralho;
- Quanto mais fudido você ficar... Não estará tanto quanto eu. Acabei de receber a notícia que terei que trabalhar com meu tio amanhã cedinho, e se eu não for meu filho com certeza irá me matar porque sou uma vagabunda que não faço nada. Mas tem o lado bom, vou poder comprar cachaça. É, tô indo dormir. Me desejem sorte no meu 1º (e único) dia de trabalho com meu tio. Amo vocês. Ou odeio, sei la, tô confusa e ainda meio doidona. Vou tentar só mais uma vez aquilo.

Coisas que eu gostaria de fazer

C. Jabureiro


1 – Matar uma borboleta
Sempre quis sentir a sensação de ter uma borboleta amassada entre meus dedos, mas eu não consigo. Eu pego elas na mão e é como se eu estivesse segurando um unicórnio multi-colorido do reino das lagartixas dançantes. Elas me olham com um olhar sedutor, inocente, simpático e amoroso e então, após um longo momento de compaixão e amor, eu as deixo voar livremente pelo céu empoeirado. Um dia ainda estuprarei uma, que acredito ser pior do que matar. Falar nisso como as borboletas se reproduzem? No dia dessa aula eu estava reproduzindo azulejos no meu banheiro e faltei.
2 – Voltar ao dia do nascimento do meu amigo
Esse cara se considera o maior comedor da cidade. Vive contando histórias sobre suas escapadas para transar e eu acredito em todas, é claro. Recentemente conheci a mãe dele. Ela é daquelas mulheres caliopáticas sabem? Daquelas que só de olhar elas mandam um poder que transferem todos os nossos pensamentos para a cabeça de baixo.
Então eu gostaria de voltar para poder ver a melhor transa da vida desse meu amigo. Sério, ele fez a vagina daquela mulher ficar mais larga que uma antena parabólica, fez ela se cagar toda e gritar como se fosse uma virgem em um show de strip dos Beatles nos anos 60 e quer me dizer que essa não foi a melhor foda invertida da vida dele?
3 – Transformar a vida em um filme pornô
Pra eu poder pular toda essa chupação e ir direto para a parte que interessa.
4 – Não fazer besteira quando ficar bêbado
Esses dias eu estava em um bar com meus amigos, bebemos todas e na hora de vir pra casa me perdi deles. Pensei: vou de táxi, é claro. Cheguei em um ponto onde estavam uns 5 velhos conversando e perguntei quanto era para eu chegar no meu bairro. 25 reais.
Eu só tinha 15 e perguntei se podia ligar pra minha mãe pra ela deixar 10 na mesa, ele disse que sim. Liguei, tudo beleza, minha mãe ficou puta mas concordou. No final o taxista filho de uma quenga fudida disse que eu não deixei ele conversar com ela, por isso não iria me levar.
Fiquei irritado, xinguei todo mundo: “seus filhos da puta do caralho, vão se fuder, que porra”, e saí de lá. Agora, não sei como, mas eu consegui dar a volta na quadra, voltar para o mesmo ponto de táxi, com as mesmas pessoas e contar exatamente a mesma história de antes.
O carinha só disse que eu estava lá agora pouco, eu coloquei a mente no lugar, percebi a cagada que tinha feito e fui embora, xingando eles novamente. Achei outro ponto de táxi (espero que tenha sido outro, minha memória de bêbado só lembra as partes constrangedoras) e sei lá como cheguei em casa. Até hoje tenho vergonha de olhar nos olhos de qualquer taxista.
5 – Matar o gordinho viado que trabalha comigo
Pensem em um cara de 44 anos com a mentalidade de uma menininha de 11. Agora tirem a imagem do seu pai da cabeça e imaginem esse que trabalha comigo. Ele é um filho da puta maldito, tudo o que faço ele vai correndo contar para os chefes, quase fui despedido por causa dele.
Ahh vá bater punheta com a bunda seu viado. Ele é o cara que mais me deixou irritado desde Dunga dirigindo a Seleção Brasileira. Um dia matarei ele usando apenas um palito de dentes e um pano molhado com mijo. Não entrarei em detalhes sobre o que ele faz/fez, porque simplesmente não to afim, mas saibam que meu ódio recente crescente é 50% por causa dele (e 50% por causa da minha recente depilação no saco que não para de coçar).