quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Despe-me lentamente

Marta Shai


Despe-me com tuas mãos lentamente.
Somente roçando meus seios e cintura.
Deslizando também teus dedos
Deixa-me ver estrelas.
Olha em meus olhos e abre tua boca.
Liberta meus seios prisioneiros
para assim ficar louca.
Se abrirão a tu como rosas ternas
Apertando tua língua neles.
E entre gemidos, suores e tremores,
Com ar abrasador em meus pulmões
Abrirei minha rosa oculta de tal maneira.
E te direi revolvendo-me
No delírio do desejo e do silencio,
Que desejo teu corpo como nunca,
Como agora, e para sempre.